Bennett anuncia duas novas cidades no Golan

Israel manterá as Colinas de Golan, que capturou da Síria na Guerra dos Seis Dias, mesmo se as opiniões internacionais sobre Damasco mudarem, disse o primeiro-ministro Naftali Bennett nesta segunda-feira.

Em 2019, o então presidente Donald Trump rompeu com outras potências mundiais ao reconhecer Israel como soberano nas Colinas de Golan, que foi anexado em 1981, em um movimento não reconhecido internacionalmente.

Os comentários de Bennett ocorreram em um momento em que o atual governo dos EUA limita o status legal do Golan e alguns estados árabes aliados dos EUA diminuem sua rejeição ao presidente sírio, Bashar al-Assad, por causa de sua gestão de uma guerra civil que já dura uma década.

Em uma conferência sobre o futuro do Golan, Bennett disse que o conflito interno na Síria “persuadiu muitos de que talvez seja preferível que este belo e estratégico território esteja nas mãos de Israel”.

“Mas mesmo em uma situação na qual – como poderia acontecer – o mundo muda de rumo em relação à Síria, ou em relação a Assad, isso não tem relação com as Colinas de Golan”, disse ele no fórum organizado pelo jornal Makor Rishon. “As Colinas de Golan são israelenses, ponto final.”

Bennett também anunciou planos para aumentar significativamente o número de israelenses que vivem nas Colinas de Golan, incluindo o estabelecimento de novas cidades na área.

LEIA TAMBÉM

Bennett disse que o governo está avançando com um plano para dobrar e, depois, quadruplicar o número de israelenses que vivem nas Colinas de Golan de cerca de 26.000 para 100.000.

O plano, disse Bennett, incluirá o estabelecimento de duas novas cidades no Golan, bem como a expansão das comunidades existentes e o investimento em infraestrutura local.

“O desenvolvimento do Golan é um interesse nacional”, disse Bennett. “Não basta dizer: ‘O povo está com Golan’, o governo também tem de apoiar o Golan”.

“Nosso objetivo é dobrar o assentamento no Golan. Em mais seis semanas, realizaremos uma reunião de gabinete na área, durante a qual aprovaremos um programa nacional para as Colinas de Golan, com a meta de passar de 26.000 residentes para 50.000, e depois de 50.000 para 100.000, para estabelecer duas novas cidades nas Colinas de Golan, para criar novos empregos e investir significativamente em infraestrutura”.

A extensão da presidência de Assad, que já dura duas décadas, em uma eleição de maio pouco fez para quebrar seu status de pária no Ocidente, mas outros líderes árabes estão aceitando o fato de que ele mantém um sólido controle do poder.

Considerações geopolíticas que contribuem para o sua reavaliação incluem apelos da Rússia, que apoia Assad, para a reintegração da Síria, a abordagem regional mais independente de Washington e as esperanças árabes de combater a influência iraniana e turca em Damasco.

Embora não tenha mudado a política, a administração do presidente Joe Biden foi cautelosa na questão de Golan, descrevendo o controle de Israel em termos de fato, e não de jure.

Questionado em uma entrevista de fevereiro se Washington continuaria a considerar as Colinas de Golan como parte de Israel, o secretário de Estado Antony Blinken sinalizou abertura para uma eventual revisão da política em um território que a maioria dos países considera estar sob ocupação.

“Enquanto Assad estiver no poder na Síria, enquanto o Irã estiver presente na Síria, grupos de milícias apoiados pelo Irã … o controle do Golan nessa situação, eu acho, continua sendo de real importância para a segurança de Israel”, disse ele à CNN .

“As questões jurídicas são outra coisa. E, com o tempo, se a situação mudasse na Síria, é algo que olharíamos”.

Fonte: Hamodia
Foto: Joe Markiewicz (Pixabay)