Grande roubo em base militar no Golã

Mais de 70.000 balas e 70 granadas foram roubadas de uma base militar nas Colinas de Golã no sábado.

A investigação inicial descobriu que as munições, usadas em lançadores de granadas M-203 foram roubadas em um assalto noturno da base de Tznobar perto de Katzrin.

“As circunstâncias do furto estão sendo investigadas pela Polícia Militar e, ao final da investigação, as apurações serão entregues à Procuradoria-Geral Militar para exame”, disseram os militares.

O chefe do Comando do Norte Maj.-Gen. Uri Gordin nomeou um comitê para investigar o roubo e examinar todos os fatores e falhas que permitiram que tal incidente ocorresse, disseram os militares. As conclusões da investigação devem ser apresentadas a Gordin dentro de cerca de um mês.

Todos os aspectos da investigação estão atualmente em sigilo, enquanto as tropas continuam a procurar o armamento roubado.

No mês passado, cerca de 30.000 balas foram roubadas de armazéns de munição na base Sde Teiman das FDI, no sul.

As FDI há anos combatem o roubo de armas de bases em todo o país, principalmente no Negev. Muitas das armas roubadas nos últimos anos foram levadas por soldados e contratados civis que trabalhavam nas bases, que não apenas tinham acesso às bases, mas sabiam onde as armas estavam armazenadas.

LEIA TAMBÉM

As autoridades temem que as armas roubadas – que incluem metralhadoras, granadas e explosivos – acabem nas mãos de organizações criminosas ou grupos terroristas na região da Samaria e Judeia.

Durante as incursões na região, as tropas confiscaram armas M-16s de nível militar, bem como munições e outros armamentos.

Em março, terroristas inspirados pelo Estado Islâmico que mataram dois policiais de fronteira em Hadera tinham quase mil balas que foram roubadas das FDI, além de rifles automáticos e facas do exército.

Devido aos arrombamentos nas bases, os militares criaram um novo protocolo para proteger os arsenais que, segundo eles, levaram a uma diminuição significativa no roubo de armas das bases e casas dos soldados.

As FDI alocaram mais de NIS 15 milhões em medidas de segurança adicionais para arsenais na base, incluindo a instalação de scanners biométricos, novas câmeras de circuito fechado e fechaduras mais modernas.

De acordo com uma reportagem do Haaretz, acredita-se que aproximadamente 70% das 400.000 armas ilegais no país tenham sido roubadas do exército ou da polícia.

Outro relatório disse que entre 2013-2020, milhares de armas foram roubadas das FDI, incluindo pelo menos 482 revólveres, 47 armas antitanque M72 LAW e duas minas terrestres.

Mas as FDI informaram que apenas 21 armas de fogo foram roubadas de bases no ano passado, marcando uma diminuição significativa em relação ao ano anterior, quando as FDI disseram ao Comitê de Relações Exteriores e Defesa que 80 armas de fogo tinham sido roubadas.

Os militares também notaram uma diminuição nos furtos nas casas dos soldados, alegando que em 2017 houve 27 armas de fogo roubadas em comparação com 15, em 2020.

Enquanto isso, no ano passado, as FDI disseram ao mesmo comitê que houve 100 incidentes de roubo de armas no Centro de Treinamento de Forças Terrestres das FDI no Sul de 2018 a 2020. De acordo com os militares, cerca de 50 ocorrências de furtos foram registradas por ano no Centro.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto (ilustrativa): FDI

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *