Israel cancela autorizações de entrada já aprovadas

Centenas de estrangeiros, principalmente do Reino Unido, que receberam aprovação para seus pedidos de autorização de entrada antes de seu país ser adicionado à lista vermelha de Israel, terão que solicitar novas autorizações, após a Autoridade de População e Imigração anular a validade de suas autorizações originais.

Com a Autoridade de População e Imigração já enfrentando um pesado fardo de pedidos de autorização de entrada de todo o mundo, o órgão governamental provavelmente será inundado de novos pedidos que já haviam sido aprovados.

Em 30 de julho, o governo acrescentou o Reino Unido a sua lista vermelha de países com altas taxas de infecções corona, o que significa que os critérios de entrada em Israel para residentes no Reino Unido tornaram-se extremamente limitados.

Em abril, o governo reabriu as fronteiras para estrangeiros com parentes de primeiro grau que viviam em Israel e permitiu que eles entrassem por qualquer motivo.

As licenças concedidas são válidas por 30 dias.

No período que antecedeu 30 de julho, centenas de cidadãos do Reino Unido e residentes com familiares próximos em Israel receberam aprovação para seus pedidos de autorização de entrada, de acordo com a organização Yad L’Olim.

Mas quando as restrições do governo à entrada em Israel de pessoas vindas do Reino Unido, Turquia, Geórgia e Chipre, entraram em vigor em 30 de julho, a Autoridade de População declarou que todas as autorizações concedidas a residentes desses países eram agora nulas.

LEIA TAMBÉM

A Yad L’Olim estima que centenas de pessoas, principalmente do Reino Unido, receberam licenças no período de 16 a 30 de julho, que foram então canceladas.

De acordo com a organização, dezenas de pessoas que receberam tais autorizações, nunca receberam notificação de que haviam sido canceladas, embora a Autoridade de População diga que tais mensagens foram realmente enviadas.

Esta semana, no entanto, o governo reverteu suas restrições a vários países, incluindo o Reino Unido, a partir deste domingo.

As licenças emitidas entre 16 e 30 de julho, portanto, são nulas e os pedidos devem ser reenviados. Isso provavelmente contribuirá para novos atrasos e problemas para o já sobrecarregado processo de inscrição.

As autorizações concedidas pelo Ministério das Relações Exteriores e pelos consulados também foram anuladas.

“A lista de países com alto risco de infecção por COVID-19 é atualizada pelo Ministério da Saúde frequentemente”, disse a Autoridade de População e Imigração em resposta. “Como já foi publicado, mais de uma vez, qualquer país incluído na lista torna inválidas as autorizações de entrada já aprovadas. Este princípio se aplica a todos os países definidos como de alto risco, e depois de removido da lista, novos pedidos devem ser enviados”.

O rabino Dov Lipman, fundador e presidente da Yad L’Olim, disse em resposta: “Não consigo entender esta decisão. Isso traz trabalho desnecessário para os ministérios e significa ansiedade desnecessária para os candidatos. Ainda não é tarde e espero que reconsiderem a decisão. Estou fazendo o que posso para fazer lobby para uma reversão desta decisão”.

Lipman também criticou a resposta da Autoridade de População, devido à sua implicação de que os pedidos dos chamados países laranja com menos restrições ainda serão aprovados apenas em circunstâncias excepcionais.

“Todos os parentes de primeiro grau dos países cor de laranja têm permissão para entrar em Israel, assim como os avós para casamentos e os membros da família de soldados solitários”, disse Lipman. “Existem centenas de milhares de pedidos de entrada de pessoas nessas categorias. Isso não é apenas uma tolerância para casos extremos, mas, ao contrário, algo muito mais amplo. Espero que o ministério esclareça o que significam aquelas palavras intrigantes que são contraditas pelo que está acontecendo de fato e pelo trabalho árduo dos próprios dedicados funcionários do ministério”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Marcia Cherman Sasson (Revista Bras.il)