IsraelNotícias

Israel reconheceu 325 vítimas de tráfico humano

Nos últimos cinco anos, Israel identificou 325 vítimas de tráfico de pessoas, de acordo com o primeiro relatório de atividades publicado pela Unidade Governamental de Coordenação da Luta Contra o Tráfico de Pessoas do Ministério da Justiça.

O relatório detalhou os dados coletados sobre o tráfico de pessoas em Israel e as medidas que o país está tomando para combater o fenômeno.

De acordo com o relatório, 71% das 325 vítimas de tráfico humano eram mulheres e um por cento eram menores de idade. Também revelou que 40% das pessoas foram traficadas para fins de exploração sexual, 44% foram mantidas em condições de escravidão e 16% foram traficadas por outros motivos.

A Polícia de Israel realizou 789 interrogatórios de suspeitos de tráfico humano, dos quais apenas 155 foram indiciados e 99 foram condenados.

O relatório também detalhou casos específicos de tráfico de pessoas que foram resgatadas.

Em um caso, uma quadrilha de tráfico foi pega trazendo mulheres do exterior para fins de prostituição. O sistema treinou as mulheres sobre como passar pelo controle de fronteira, hospedou-as e levou-as aos empregos. Os perpetradores foram presos e condenados por traficar mulheres para prostituição e fazer pessoas deixarem seus países para a prostituição.

LEIA TAMBÉM

Em outro caso, uma família do sul tinha seis menores de 6 a 15 anos trabalhando na padaria da família por períodos variados. Os menores não tinham pausas ou férias e muitas vezes eram obrigados a trabalhar no meio da noite. Eles recebiam apenas NIS 15 a 20 por dia por esse trabalho. Os empregadores frequentemente abusavam fisicamente das crianças quando elas não atingiam as metas estabelecidas e lhes causavam ferimentos graves. Os criminosos foram pegos depois que uma das crianças apareceu no hospital com três dedos amputados por uma máquina de cortar massa. Os criminosos foram condenados por manter menores em condições de escravidão.

Um terceiro caso envolveu uma menina de 16 anos que foi forçada a se casar com um homem que era violento com ela. Depois que eles se divorciaram, sua família a forçou a se casar com outro homem muito mais velho como sua segunda esposa, e ele a estuprou e abusou dela na noite de núpcias. No dia seguinte, ela o matou e foi condenada à prisão. Após sua sentença, a jovem pediu para ser reconhecida como vítima de tráfico humano, o que lhe foi negado. O caso foi então levado ao Superior Tribunal de Justiça, que decidiu reconhecê-la como vítima de tráfico humano.

“A guerra contra o tráfico humano está no centro de nossos valores básicos como um estado democrático e judeu”, disse o ministro da Justiça, Gideon Sa’ar. “Este ano, o governo aprovou o plano de cinco anos que apresentei , que inclui muitas ações necessárias e significativas a serem tomadas em cooperação com os ministérios para prevenir o tráfico e a exploração e promover os direitos das vítimas. Estou convencido de que a implementação do plano ajudará a erradicar o fenômeno e colocará Israel de volta no ranking mais alto do Departamento de Estado dos EUA em relação ao tráfico humano”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Canva

One thought on “Israel reconheceu 325 vítimas de tráfico humano

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo