Ministro da Saúde pede novas restrições

O ministro da Saúde, Yuli Edelstein, disse no domingo que recomendou a retomada de restrições a reuniões e eventos públicos, alertando que Israel estava no “início de uma segunda onda” de infecções por coronavírus.

Os comentários vieram depois de uma reunião do chamado gabinete de coronavírus que se reuniu para discutir possíveis novas regras, mas que terminou sem decisões, e com o Ministério da Saúde e outros ministros supostamente em desacordo sobre o escopo das restrições que deveriam ser implementadas, enquanto aumentam os casos de vírus.

A discussão ministerial será retomada nesta segunda-feira.

O número de infecções diárias tem aumentado constantemente desde que as regras de bloqueio foram flexibilizadas em maio, com mais de 600 novos casos registrados na quinta-feira pela primeira vez em meses e com infecções diagnosticadas em todo o país. Na noite de domingo, o Ministério da Saúde disse que 218 novos casos de COVID-19 foram diagnosticados nas últimas 24 horas, marcando um declínio.

Na semana passada, o governo e altos funcionários da saúde sustentaram que um bloqueio nacional ainda poderia ser evitado.

Em uma coletiva de imprensa, Edelstein disse que suas recomendações apresentadas ao governo eram reduzir o número de pessoas autorizadas a participar de casamentos e outros eventos religiosos, como bar mitzvá, bem como o número de participantes em serviços de sinagoga, sem especificar quantas pessoas seriam permitidas.

As salas de eventos devem ser compensadas pelo governo, disse ele, acrescentando que as demandas expressas por seus proprietários são “justificadas”.

Limitações também devem ser anunciadas para reuniões públicas em geral, disse Edelstein.

Ele disse que recomendou que os exames nas universidades fossem realizados remotamente e que as aulas fossem realizadas por videoconferência sempre que possível.

O ministro da Saúde disse que pelo menos 30% dos funcionários do setor público deveriam trabalhar em casa, mas acrescentou que não tinha a intenção de limitar o setor privado a esse respeito. Ainda assim, ele disse que os empregadores devem permitir que os trabalhadores trabalhem em casa.

“As recomendações, é claro, não são agradáveis, mas são necessárias nesta fase para impedir um bloqueio nacional”, disse ele.

Edelstein disse que já havia aprovado a reabertura da economia, “mas enfatizei o tempo todo que, se não seguirmos todas as diretrizes, poderemos chegar ao ponto de fechamento”.

“Infelizmente, as pessoas não ouviram o suficiente”, lamentou, atacando pessoas sem citar nomes, que supostamente criticaram o Ministério da Saúde por pressionar demais as restrições.

De acordo com a mídia israelense, o Ministério da Saúde durante a reunião do gabinete de coronavírus recomendou limitar o número de participantes nos casamentos para 50 (em vez de 250); exigindo que as keitanot (acampamentos diurnos das crianças) sejam realizadas usando o sistema “cápsula” de grupos limitados e constantes de no máximo 15; limitar orações a áreas externas e em grupos de no máximo 19 pessoas; e proibir reuniões gerais de mais de 20 pessoas.

O Canal 13 relatou que durante a reunião, uma apresentação foi feita pelo diretor geral do Ministério da Saúde Chezy Levy e um representante do Instituto de Pesquisa Gertner do Hospital Tel Hashomer.

“Se a tendência atual continuar sem medidas drásticas, perderemos o controle da pandemia e haverá centenas de mortos”, disse Levy, segundo ministros que participaram da reunião.

O ministro da Ciência, Izhar Shay, interrompeu Levy, dizendo: “Estamos sendo arrastados para decisões irracionais. Estão faltando dados”.

O ministro do Interior, Aryeh Deri, teria criticado as “exigências excessivas” do Ministério da Saúde, acrescentando: “Nenhuma outra medida é necessária. É preciso aprender a conviver com o coronavírus”.

O ministro da Educação, Yoav Gallant, teria tido uma preocupação especial com a intenção de reduzir o número de crianças autorizadas a frequentar as keitanot.

“Eu sirvo o país permitindo que um milhão de crianças sejam supervisionadas com responsabilidade enquanto os pais vão trabalhar”, teria dito aos ministros, após o que lhe foi pedido que apresentasse um plano na segunda-feira que permitisse que as colônias de férias operassem de maneira segura sem retornar em pequenos grupos.

O ministro das Finanças, Israel Katz, acrescentou que se opunha a qualquer decisão que pudesse prejudicar a economia e as taxas de emprego, e que os regulamentos existentes precisavam ser mais bem aplicados.

Na conclusão da reunião, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu ordenou que o rastreamento dos contatos deos pacientes com coronavírus fosse reduzido para 48 horas e os testes de vírus – a partir de quando uma solicitação é apresentada até que os resultados sejam concluídos – para 12 horas, na tentativa de quebrar as cadeias de infecções.

Além disso, o Gabinete do Primeiro Ministro disse que se discutiu a recomendação de reduzir o trabalho do setor público para 30% em casa, além de aumentar a fiscalização.

As discussões devem ser retomadas na segunda-feira, inclusive sobre a possibilidade de exames universitários serem realizados remotamente. Os meios de comunicação informaram que o aumento no número de casos combinados com surtos em instituições educacionais levou a investigações sobre o assunto com centenas de estudantes. Além disso, acredita-se que a mudança reduzirá as chances de infecção em massa.

Netanyahu disse no domingo que Israel estava enfrentando uma “onda crescente” de infecções.

Os dados do Ministério da Saúde na noite de domingo registraram 218 novos casos de coronavírus desde a noite anterior, aumentando o número total de infecções desde o início da pandemia para 23.639. Dos 6.265 casos ativos, 39 estão em estado grave, incluindo 22 em respiradores. Outras 60 pessoas estão em condições moderadas e as demais apresentam sintomas leves ou são assintomáticas.

O número de mortos permaneceu em 318.

Foto: Yonatan Sindel/Flash90. Policiais que fiscalizam regras de distanciamento social do lado de fora do mercado Mahane Yehuda em Jerusalém, 25/06/2020.

Um comentário em “Ministro da Saúde pede novas restrições

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *