IsraelNotícias

Negociações da reforma judicial são retomadas

As negociações entre a coalizão e a oposição para um acordo sobre a reforma judicial foram retomadas na residência do presidente, informou o Canal 12 na noite de segunda-feira.

As conversações, organizadas pelo presidente Isaac Herzog, foram paralisadas durante as férias de verão da Knesset, depois de a coalizão ter aprovado a Lei Deri, que proíbe os tribunais de anularem decisões e nomeações governamentais com base no padrão de razoabilidade.

A lei é a única parte do plano de revisão judicial da coalizão que, até agora, foi aprovado pela Knesset.

De acordo com a emissora, que citou fontes não identificadas na residência do presidente, as conversações entre membros da coalizão e da oposição foram retomadas com o entendimento de que o governo não tentará aprovar quaisquer projetos de lei do seu pacote de reforma judicial nos próximos 18 meses, uma condição com a qual o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu já teria concordado.

Netanyahu também teria concordado em suavizar a Lei Deri, com um novo projeto de lei a ser aprovado que substitui a legislação aprovada em julho.

Além disso, o primeiro-ministro teria aceitado a exigência da oposição de que o Comitê de Seleção Judicial deve alcançar uma maioria de sete membros do seu total de nove, para aprovar nomeações judiciais, negando efetivamente a tentativa do Ministro da Justiça Yariv Levin (Likud) de permitir ao governo nomear juízes sem o apoio da oposição, da Ordem dos Advogados de Israel ou dos juízes do Supremo Tribunal incluídos no comitê.

LEIA TAMBÉM

Apesar destas concessões relatadas, as fontes citadas pelo Canal 12 disseram que não está claro se os dois lados conseguirão chegar a um acordo de compromisso.

Funcionários do gabinete do presidente teriam pressionado os membros da oposição a chegarem a um acordo com o governo. “Se vocês concordarem, a crise terminará”.

O gabinete do presidente confirmou que as negociações foram retomadas, mas deu poucos detalhes. “O presidente liderou, nas últimas semanas, um esforço especial para evitar uma crise constitucional e trazer uma solução que mantenha a democracia e a unidade em Israel”, disse o gabinete de Herzog. “Deve ser enfatizado que nenhum acordo foi alcançado.”

Fonte: Revista Bras.il a partir de WIN
Foto (ilustrativa): Kobi Gideon (GPO)

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *