Reaberto caso de crianças iemenitas desaparecidas

Pela primeira vez no caso das crianças iemenitas, o túmulo de uma adolescente que desapareceu em 1949 foi aberto, esta semana, para verificar se os restos eram realmente dela.

Hamama Karava, de 17 anos, uma jovem mãe de um filho, deu entrada no hospital Assaf Harofe, alguns meses depois que sua família chegou a Israel do Iêmen. Seu marido, Yehuda, ia visitá-la todos os dias, e um dia ela simplesmente desapareceu.

As autoridades do hospital lhe disseram que não tinham ideia do que havia acontecido com ela e, em seguida, segundo sua filha, “o expulsaram do hospital”. Ele a procurou por anos antes de finalmente se casar novamente.

No final dos anos 40 e início dos anos 50, cerca de 1.000 bebês e crianças judias – na maioria de origem iemenita, balcânica e tunisiana – desapareceram, principalmente de hospitais. Os pais, novos imigrantes com conhecimento limitado de hebraico e recursos, foram informados de que os bebês haviam morrido e foram enterrados às pressas sem a presença de suas famílias.

Embora o foco principal de várias comissões de inquérito, desde 1968, tenha sido os muito jovens, existem cerca de 30 casos semelhantes de jovens adultos entre 17 e 30 anos que também desapareceram na época.

As famílias acreditam que o pessoal dos hospitais e o Estado conspiraram para trazer essas crianças para serem adotadas por famílias Ashkenazi.

A Comissão Kedmi trabalhou por seis anos, a partir de 1995, e determinou que em 972 casos havia documentação de que as crianças realmente haviam morrido, cinco estavam vivas e o destino de 56 era desconhecido.

Os investigadores da Kedmi disseram ao filho de Hamama, Rahamim, que encontraram seu túmulo no Cemitério de Segula em Petach Tikva. No entanto, o nome na lápide não corresponde exatamente ao da mãe de Rahamim, marcando-a no local de descanso, como Hamama Yosef Omisi.

LEIA TAMBÉM

O mistério em torno do desaparecimento de sua mãe atormenta Rahamim há décadas.

“Acho que ela foi sequestrada e levada para experimentos”, disse Rahamim em lágrimas. “Estávamos em Israel há três meses e ela foi hospitalizada com dores de estômago. Meu pai a visitou por uma semana. Ela estava completamente lúcida. Um dia, quando ele veio visitá-la, ela havia desaparecido… Quero saber o que aconteceu, quero rezar o Kadish [a oração memorial judaica], e se ela estiver viva, quero conhecê-la”.

A acusação de experimentação médica surgiu durante uma reunião especial do comitê da Knesset, em 2016, quando um testemunho foi dado sobre quatro bebês desnutridos morrendo após receberem uma injeção experimental de proteína.

Em 2018, após uma manifestação, foi concedida permissão a 18 famílias para exumar as sepulturas que continham oficialmente os restos mortais de seus entes queridos, para que testes de DNA pudessem ser realizados para tirar suas dúvidas. Este caso foi incluído pelos tribunais, disse o advogado da família Rami Tzubari, porque as circunstâncias do desaparecimento de Hamama foram semelhantes às dos bebês, e nem os documentos que eles possuem nem os nomes coincidem com as informações sobre seu suposto túmulo.

Esta é a terceira sepultura a ser aberta até agora para que testes de DNA possam ser realizados em seus restos mortais; os outros eram de bebês.

A primeira, realizada em maio, foi feita para resolver uma disputa sobre se uma criança, também enterrada no Cemitério de Segula, era uma criança iemenita, como alegava o Ministério da Saúde, ou filho de um casal tunisiano. Uziel Houri foi levado ao hospital com um ano de idade em 1953, e sua família foi informada de que ele havia morrido, mas eles não acreditam nas autoridades.

Essa exumação foi interrompida quando um segundo corpo foi encontrado no túmulo, e o caso ainda não foi resolvido no tribunal.

Em julho, o suposto túmulo de Yosef Melamed, de 18 meses, foi aberto no cemitério Nahalat Yitzhak, perto de Tel Aviv. Sua mãe, agora na casa dos 90 anos, sempre acreditou que ele foi sequestrado e adotado em 1947, depois de ser levado ao hospital quando doente. A família não contou a ela sobre a exumação, temendo por sua saúde.

Em fevereiro de 2021, o governo aprovou uma decisão de “expressar pesar” pelo caso e compensar as famílias por seu “sofrimento” com até NIS 200.000. Apenas as famílias cujos casos foram investigados pelas comissões de inquérito têm direito a esta indenização.

Fonte: WIN
Foto: Brauner Tedd (Government Press Office)