Reino Unido revisará fundos para escolas palestinas

As autoridades britânicas se comprometeram a rever urgentemente as dezenas de milhões de dólares em ajuda que o Reino Unido fornece à agência da ONU para refugiados palestinos, depois que um relatório descobriu que a maioria dos fundos estava indo para escolas na Cisjordânia e na Faixa de Gaza, que usam livros didáticos que incitam a violência contra israelenses.

De acordo com um relatório publicado sexta-feira pelo jornal britânico Daily Mail, o Departamento de Desenvolvimento Internacional e sua secretária, Anne-Marie Trevelyan, prometeram levantar a questão com a Autoridade Palestina, acrescentando que Londres estava trabalhando para realizar uma revisão independente do livros palestinos.

“O governo do Reino Unido tem uma abordagem de tolerância zero em relação ao incitamento à violência”, disse um porta-voz do departamento ao Daily Mail.

O relatório do Daily Mail incluía vários exemplos de supostos incentivos descobertos em livros didáticos usados ​​em escolas financiadas pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados da Palestina (UNRWA, na sigla em inglês). Em um livro de matemática para crianças de nove anos, os alunos são solicitados a somar o número de mártires dos levantes palestinos, acompanhados de imagens de seus funerais. Em outra, crianças de 11 anos aprendem a Segunda Lei da Física de Newton com uma representação de um garoto apontando um estilingue para os soldados israelenses.

Outras fotos mostram palestinos usando estilingues contra as forças israelenses e questionam os estudantes sobre seu uso e eficácia, além de precauções a serem empregadas durante o uso.

Foram encontrados livros didáticos para elogiar os “mártires” palestinos, incluindo Dalal al-Mughrabi, que liderou o Massacre da Estrada Costeira de 1978, durante o qual terroristas palestinos sequestraram um ônibus e mataram 38 israelenses.

Os materiais revelados pelo Daily Mail e suas traduções foram fornecidos ao jornal pelo Instituto de Monitoramento da Paz e Tolerância Cultural na Educação Escolar (IMPACT-se, na sigla em inglês).

O Reino Unido concedeu US$ 427 milhões em ajuda à UNRWA nos últimos cinco anos, com outros US$ 84 milhões prometidos para o próximo ano. Aproximadamente 62% desse financiamento vão para escolas nos territórios palestinos, que poderiam estar usando esses livros.

Respondendo ao relatório Daily Mail, a UNRWA afirmou em comunicado que “não pode alterar o currículo do governo anfitrião, pois é uma questão de soberania nacional, mas possui sistemas robustos para garantir que a educação oferecida em suas escolas reflita os valores da ONU”.

Em maio passado, a União Européia anunciou que conduziria um exame dos novos livros escolares palestinos, após um estudo que os considerou mais radicais do que no passado e que continha incitação e rejeição da paz com Israel.

O desenvolvimento ocorreu depois que o Parlamento Europeu aprovou, em abril de 2018, uma legislação destinada a evitar conteúdo odioso nos livros didáticos palestinos. Em outubro daquele ano, o comitê orçamentário do parlamento recomendou congelar mais de US$ 17 milhões em ajuda à Autoridade Palestina por incitação a Israel em seus livros didáticos.

A UE repassa à Autordade Palestina mais de 400 milhões de dólares por ano, sendo a maioria destinada ao seu ministério da educação. Além disso, o órgão europeu doa US$ 178 milhões à UNRWA, grande parte destinada às escolas que ensinam o currículo da AP.

 

Fonte: Times of Israel

Imagens: IMPACT-se

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *