IsraelNotícias

Em cerimônia simples, Israel comemora o Dia da Independência

A cerimônia oficial anual de acendimento da tocha, que marca do Dia da Independência, foi ao ar na noite desta segunda-feira, depois de ter sido pré-gravada, sem público ao vivo, pela primeira vez.

Com exceção de uma mensagem gravada separadamente do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu, que se encaixou no fluxo da cerimônia, o clima foi bastante sombrio, um forte contraste com os anos anteriores, onde multidões de centenas de israelenses agitando bandeiras compareceram à celebração.

A cerimônia normalmente é transmitida ao vivo, mas os organizadores decidiram filmá-la com antecedência, supostamente para evitar as manifestações que foram vistas em várias cerimônias do Dia da Memária (Yom Hazikaron), horas antes.

A cerimônia de acendimento da tocha foi realizada em meio a protestos daqueles que achavam que o governo não deveria organizar uma celebração, depois de viver o maior massacre de israelenses num único dia na história do país.

Algumas das vozes mais fortes contra a realização da cerimônia tradicional foram os familiares dos reféns e as famílias que perderam entes queridos ou foram deslocadas das suas casas como resultado dos combates em Gaza e na fronteira com o Líbano.

Alguns deles lideraram uma cerimônia alternativa de “apagamento da tocha” na cidade de Binyamina, que contou com a presença de cerca de 1.000 pessoas. Outras 100 mil pessoas juntaram-se a outras famílias de reféns para comemorar o início do Dia da Independência, em um comício igualmente sombrio na Praça dos Reféns, em Tel Aviv.

LEIA TAMBÉM

O presidente da Knesset, Amir Ohana, transmitiu uma mensagem na cerimônia pré-gravada, aos 132 reféns ainda detidos em Gaza.

“O Estado de Israel não estava lá no dia 7 de outubro com toda a sua força e poder como todos esperávamos que estivesse, mas desde então, tem trabalhado todos os dias para devolver-vos para casa, para as vossas famílias”, disse ele, acrescentando que “ todos aqueles que servem nas forças de segurança israelenses estão lutando incansavelmente pela sua libertação”.

“Todos os israelenses aguardam o seu retorno. Todas as sinagogas em Israel e na Diáspora estão rezando pelo seu bem-estar. Não vamos nos desesperar e não vamos desistir. Não percam a esperança”, apelou.

Voltando-se para a atual situação política, Ohana observou que a última vez que a cerimônia do Dia da Independência foi realizada sem audiência foi em 2020. Também este ano, os israelenses enfrentam uma pandemia, disse Ohana. “A praga do conflito, da polarização e da intolerância”.

O presidente da Knesset pregou a necessidade de unidade interna numa altura em que Israel enfrenta ameaças externas tão graves. “Teremos que gritar menos e ouvir mais, até mesmo aos nossos adversários políticos. Eles também provaram que estão prontos a sacrificar as suas vidas pelo bem do Estado judeu e democrático de Israel”.

Os comentários de Ohana foram feitos depois de uma discussão entre ele e a ministra dos Transportes, Miri Regev, que ameaçou suspender a cerimônia. Regev, que tradicionalmente organiza a cerimônia no governo Netanyahu, teria informado Ohana que não lhe seria dada a tradicional honra de discursar no evento.

Em retaliação, ele instruiu a Guarda da Knesset a não cooperar com os ensaios. A disputa foi resolvida após a intervenção de Netanyahu. Ohana falou e a Guarda da Knesset participou da cerimônia.

A cerimônia do Dia da Independência tradicionalmente apresenta um acendimento de tochas em que 12 israelenses considerados cidadãos exemplares são escolhidos para acender uma tocha. Este ano, eles foram selecionados pelo seu “heroísmo” no dia 7 de Outubro ou em relação a ele.

Como a cerimônia foi pré-gravada e editada, ela pôde ser realizada em vários locais.

Antes do acendimento das tochas principais em Jerusalém, tochas memoriais foram acesas nas comunidades de Kfar Aza, Hof Zikim, Sderot, Nahal Oz e outros locais afetados em 7 de outubro.

Uma das tochas foi acesa no Moshav Tekuma, próximo a uma pilha gigante de carros queimados destruídos durante o ataque do Hamas.

Durante a cerimônia principal de acendimento da tocha no Monte Herzl, 44 pessoas acenderam 12 tochas para homenagens concedidas a representantes das forças de segurança, esquadrões de segurança voluntários, funcionários médicos, a diáspora e muito mais.

Uma 12ª tocha foi acesa sozinha para simbolizar os reféns em Gaza que ainda não regressaram a casa.

No seu vídeo pré-gravado, Netanyahu aproveitou a oportunidade para reiterar muitos dos pontos que vem discutindo durante a guerra sobre a sua determinação em derrotar o Hamas.

“Este não é um Dia da Independência normal. A guerra ainda está em curso”, disse ele, antes de se comprometer a devolver os reféns às suas famílias e garantir que as dezenas de milhares de israelenses que foram forçados a evacuar as suas casas no norte e no sul também possam regressar.

O Presidente Isaac Herzog, dirigindo-se aos judeus da Diáspora numa mensagem não relacionada com a cerimônia oficial do Estado disse que o 76º ano de Israel “foi marcado por enorme dor e perda”, não apenas para os residentes do Estado Judeu “mas para as comunidades judaicas em todo o mundo”.

Destacando a “escala chocante do ressurgimento do antissemitismo em tantas formas em todo o mundo”, Herzog disse num vídeo publicado online que “não há dúvida de que este ano, as nossas celebrações do Dia da Independência são diferentes”.

Mas embora os últimos sete meses tenham sido repletos de sofrimento, “também foram um período de conquistas importantes”, declarou ele. “Eles nos lembraram por que nos levantamos da tragédia e encontramos a força e a determinação para estabelecer um belo e amado lar nacional, o milagre que é o Estado de Israel”.

Em Jerusalém, o teatro Cinemateca deve realizar seu tradicional canto e quiz de cinema israelense na tarde desta terça-feira, assim como a cerimônia do Prêmio Israel.

Fonte: Revista Bras.il a partir de The Times of Israel
Foto: Captura de Tela

One thought on “Em cerimônia simples, Israel comemora o Dia da Independência

  • ADENIDE DE SANTANA SANTOS

    Não tinha como ser diferente,depois de tanto sofrimento e perdas humanas é natural e até esperado que as pessoas estejam mais contritos que festivos, ainda mais em Israel, lugar no qual as pessoas estão unidos por diferentes histórias de superação. É provável que o país esteja mais forte e unido e isto é o mais importante; a fé, a coragem e a determinação são a cola que uni esse povo guerreiro. Parabéns Israel que o teu Deus tome a tua defesa e lute contigo ombro a ombro contigo contra todos os teus inimigos!

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo