Em Jerusalém: uma cidade subterrânea para os mortos

Esculpida na rocha ao lado de uma montanha diretamente abaixo do cemitério Har HaMenuchot, fica a entrada da mais nova necrópole de Jerusalém, uma cidade dos mortos que seus projetistas esperam que possa suprir a escassez de espaço para enterros na capital.

Uma empresa de engenharia local e a maior sociedade funerária de Jerusalém elaboraram um plano para mudar radicalmente a maneira como os judeus enterram seus mortos por meio da construção de um sistema moderno de cavernas.

A empresa Rolzur Tunneling e a Chevra Kadisha Kehilat Yerushalaim esperam abrir em breve a primeira seção de um enorme complexo subterrâneo que, segundo eles, conterá mais de 20.000 túmulos.

A crise do enterro de Jerusalém é impulsionada por uma população crescente, aumentando a densidade urbana e a alta demanda por enterros na cidade mais sagrada do judaísmo. Em Har Hamenuchot, localizado na entrada oeste da cidade, os mortos já estão enterrados em estruturas de vários níveis.

Após sua conclusão no final deste mês, o projeto de US$ 77 milhões incorporará vários túneis conectados sob o cemitério existente, cada um com lotes de sepulturas esculpidas em rochas com vários andares. Os visitantes utilizarão elevadores até os túmulos localizados em túneis com ar condicionado, a uma profundidade de 60 metros abaixo do solo e com adaptação para visitantes com necessidades especiais. Um aplicativo para permitir que os enlutados encontrem facilmente seus entes queridos também está em andamento.

As paredes são revestidas com pedra de Jerusalém e o piso é bem iluminado. Grandes luminárias de vidro, criadas por um artista alemão, dão ao lugar uma estética sofisticada.

Os túneis foram escavados de cima para baixo usando máquinas de perfuração especiais que esculpiam nichos nas paredes. Explosões controladas e equipamentos pesados ​​foram usados ​​para abaixar o piso e abrir espaço para mais nichos. Os corpos serão enterrados no chão e em vários níveis ao longo das paredes. Em partes do sistema de túneis onde a rocha não suportava a escavação de buracos nas paredes, as criptas foram fabricadas com poliestireno resistente.

Mas nem todos estão a favor deste novo cemitérios, o rabino Seth Farber, fundador do Itim, um grupo que trabalha para ajudar os israelenses a navegar na burocracia religiosa do país, disse que o projeto só resolve o problema por alguns anos. Em vez disso, disse ele, os israelenses deveriam deixar de lado a ideia de que os cemitérios devem estar nas cidades. “Acho que devemos construir no Negev e ter transporte público e resolver o problema pelos próximos 100, 150 anos”, disse Farber, referindo-se ao grande e quase despovoado deserto do sul de Israel.

Shahor discordou veementemente. “Em Haifa, eles construíram um cemitério fora da cidade e os moradores estão pagando muito para ter enterros na cidade”, disse ele.

“Quando todas as áreas da cidade estiverem preenchidas, o governo decidirá onde será o próximo local. Se estiver em Beersheba, alguém terá que tirar um dia de folga para visitar um túmulo. Isso prejudicará as pessoas.”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *