Férias de verão do Hamas com treinamento militar

O grupo terrorista Hamas lançou seus acampamentos anuais de férias de verão para crianças de Gaza com treinamento militar para os jovens.

As crianças vítimas do terrorismo participam do campo denominado “Pioneiros da Libertação”, onde se preparam para se tornarem combatentes contra Israel e simulam ataques com tiros contra Jerusalém.

No campo, as crianças vestem os uniformes do Hamas e passam por vários exercícios de treinamento para prepará-las para lutar contra Israel.

Este ano, os campistas também estão sendo treinados por meio de simulações de computador, nas quais atiram em soldados e policiais no Monte do Templo e na Mesquita de Al-Aqsa, em Jerusalém.

Outro simulador apresenta um míssil antitanque que as crianças usam para disparar contra alvos israelenses.

As crianças são doutrinadas na Jihad e na luta contra o “inimigo sionista”.

Em um dos exercícios de treinamento as crianças simulam o sequestro de um soldado israelense.

Nos anos anteriores, as crianças foram ensinadas a apunhalar e apedrejar a polícia israelense para “libertar Al-Aqsa”, enquanto os instrutores saudavam os que caíam como “mártires” contra o inimigo.

Desde que assumiu o controle de Gaza, o Hamas se envolveu em intensa doutrinação para incutir sua ideologia islâmica extremista entre crianças e adultos, e os acampamentos de verão são um dos meios para isso.

Frequentados por milhares de participantes todos os anos, os campos cultivam um “espírito de resistência” e incutem um compromisso com a luta armada contra Israel com o objetivo de “libertar a Palestina do rio ao mar”, enquanto ensinam uma ampla gama de habilidades militares. Muitos deles têm o nome de terroristas que realizaram operações armadas contra israelenses.

LEIA TAMBÉM

Além de aulas de Alcorão, os campos oferecem ampla doutrinação e atividades militares, muitas vezes realizadas por membros da ala militar do Hamas, as Brigadas ‘Izz Al-Din Al-Qassam. Essas atividades incluem treinamento com facas e armas de fogo (em alguns casos com munição real).

Os campistas também encenam cenas de luta e captura de soldados israelenses ou disparando foguetes contra Israel. Muitas atividades têm como tema a libertação de Jerusalém e Al-Aqsa, ou tratam da homenagem e glorificação de terroristas.

O recrutamento e o registro para os campos são realizados nos sites do Hamas e nas páginas das redes sociais, na imprensa da organização e por ativistas do Hamas em mesquitas e em locais centrais da Faixa de Gaza.

O International Legal Forum, um grupo jurídico de direitos humanos com sede em Israel, enviou uma carta ao Fundo de Emergência das Nações Unidas para a Infância (UNICEF) para investigar e tomar medidas contra os campos de treinamento do Hamas para crianças soldados. “Esta é uma forma abominável de abuso infantil, que expõe essas crianças à violência, exploração e potencial morte”, afirma a carta.

Um porta-voz do Hamas defendeu o uso de campos de treinamento pelo grupo terrorista. De acordo com o Long War Journal, o porta-voz disse durante uma entrevista coletiva que o Hamas tem “o direito à autodeterminação, autodefesa e resistência ao ocupante por todos os meios disponíveis, incluindo a resistência armada”.

Fontes: Unidos Por Israel, Memri e Jewish Journal
Foto: Memri