Guia para evitar o antissemitismo no Facebook

A gigante da tecnologia publicou um livreto de orientação para proteger os judeus na rede social em colaboração com duas importantes organizações judaicas britânicas.

O Community Security Trust (CST) e o Conselho de Deputados ajudaram a lançar o guia de 20 páginas, intitulado “Proteção da comunidade judaica contra o antissemitismo no Facebook”, como parte da Semana Nacional de Sensibilização ao Crime de Ódio.

Embora o Facebook tenha um exército internacional de 30.000 revisores de conteúdo, o guia diz que os algoritmos de Inteligência Artificial (IA), projetados para detectar conteúdo antissemita antes de serem vistos e informados, “percorreram um longo caminho”.

Embora a tecnologia “não seja perfeita”, quase três milhões de publicações que violaram as regras da empresa sobre discurso de ódio foram bloqueadas pela detecção de IA “proativa” somente nos três primeiros meses deste ano.

O Facebook define o discurso de ódio como um ataque direto a pessoas com base em características como raça, etnia, origem nacional ou afiliação religiosa. Ele define “ataque” como discurso violento ou desumanizante, declarações de inferioridade ou apelos à exclusão ou segregação. Essas postagens violam os padrões da comunidade do Facebook.

Por vários anos, a CST tem trabalhado com o Facebook como um “indicador confiável” de conteúdo violador e nocivo e atua como um “amigo crítico” da plataforma, aconselhando o desenvolvimento de políticas e a regulamentação de conteúdo.

O guia explica como enviar relatórios e comentários para o Facebook relativos a conteúdo indevido. Ele também fornece informações sobre recursos anti-bullying, como “silenciar” pessoas ou grupos, controlar o que as pessoas veem e proteger contas e privacidade, por exemplo, através do uso de autenticação de dois fatores.

Clique aqui para acessar o guia.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *