IsraelNotícias

Israel fará teste para isenção de visto dos EUA

Israel lançará um programa piloto no próximo mês que testará sua preparação para permitir que palestinos-americanos viajem mais livremente para Israel, um requisito para que o país seja aceito no Programa de Isenção de Visto (VWP) dos EUA, no outono.

Enquanto isso, a pressão sobre o governo Biden intensificou-se por parte de legisladores e organizações não-governamentais preocupadas com o fato de Israel não cumprir a exigência do VWP de garantir direitos “recíprocos” de viagem para palestinos-americanos, muçulmanos-americanos, árabes-americanos e todos os cidadãos americanos, que há muito tempo alegam discriminação e maus-tratos por parte das autoridades nas passagens israelenses.

O embaixador dos EUA em Israel, Tom Nides, que liderou os esforços do governo para permitir que os israelenses viajem para os EUA por até 90 dias sem obter um visto, disse ao The Times of Israel, em abril, que os EUA só admitiriam Israel no VWP se assinasse um Memorando de Entendimento garantindo o compromisso de reciprocidade com cláusulas “snapback” se o acordo for violado.

Nides teve conversas com um grupo de representantes de organizações árabes em Washington que têm feito lobby junto ao governo no VWP. Dois dos representantes da teleconferência a caracterizaram como cordial e agradeceram a disposição do embaixador em ouvir suas preocupações.

No entanto, eles também expressaram desconforto sobre o que sentiram ser uma lacuna entre seu desejo de garantir que todos os americanos sejam tratados de forma justa nas travessias de Israel e a aparente priorização de Nides de garantir que os palestinos-americanos tenham permissão para entrar em Israel e usar o Aeroporto Ben-Gurion.

Atualmente, os palestinos estão impedidos de entrar pelo Aeroporto Ben-Gurion e, como Israel também não permite que a Autoridade Palestina construa seu próprio aeroporto, eles são forçados a viajar para a Jordânia e voar para o exterior a partir de Amã, com todas as taxas adicionais e tempo de viagem que isso implica.

LEIA TAMBÉM

Autoridades israelense e americanas disseram que Israel concordou em começar a permitir que palestinos-americanos entrem em Israel e usem o Aeroporto Ben-Gurion. No entanto, os EUA querem que Israel demonstre que possui os sistemas para cumprir o compromisso.

Para isso, pediu a Israel para que fizesse um período experimental de um mês no início de julho, durante o qual os palestinos-americanos poderão solicitar uma autorização de viagem de 90 dias para entrar em Israel por meio do contato militar com os palestinos, o coordenador do Atividades Governamentais nos Territórios (COGAT).

Durante o período experimental, os EUA querem que Israel demonstre que um  número razoável de palestinos-americanos foi capaz de se inscrever online por meio do COGAT, receber as autorizações de viagem de 90 dias e usá-las com sucesso para entrar em Israel.

Palestino-americanos terão permissão para usar o Aeroporto Ben-Gurion durante esse período, mas as autorizações de viagem podem ser usadas para se deslocar para Tel Aviv, Jerusalém ou qualquer cidade israelense. Eles ainda estarão sujeitos a considerações de segurança, e os palestinos anteriormente presos pelas FDI podem enfrentar dificuldades.

A ideia é que essas autorizações espelhem o Sistema Eletrônico de Autorização de Viagem (ESTA) que os cidadãos dos países do VWP preenchem para entrar nos EUA. O ESTA tem uma validade de dois anos, durante os quais os aprovados podem entrar para as estadias até 90 dias que quiserem sem terem de se candidatar novamente, desde que não excedam a permanência nem trabalhem ilegalmente.

As negociações ainda estão em andamento, mas isso significaria efetivamente que os palestinos-americanos aprovados poderão entrar e sair de Israel livremente da região da Samaria e Judeia por um período de dois anos assim que receberem a aprovação, que os funcionários do governo Biden esperam que seja um processo de 24 a 48 horas.

O programa experimental não tem data certa para ser lançado.

Embora algumas organizações árabes tenham feito lobby para que o requisito de reciprocidade se aplique à Faixa de Gaza, onde residem cerca de 500 americanos, não se espera que o governo Biden atenda ao pedido. Atualmente, o Departamento de Estado dos EUA recomenda que os americanos evitem viajar para Gaza, governada pelo Hamas, que classifica como uma organização terrorista.

Mas o compromisso de reciprocidade afetará os cerca de 70.000 palestinos-americanos que estão no registro populacional da AP, metade dos quais vive na Samaria e Judeia. Acredita-se que existam mais de 400.000 palestinos-americanos baseados nos EUA que não estão no registro de população da AP. Embora esses indivíduos possam viajar pelo Ben-Gurion, muitos se queixaram de discriminação e recorreram a viajar pelo cruzamento de Allenby entre a Samaria e Judeia e a Jordânia como a maioria dos outros palestinos.

O Departamento de Estado recebe reclamações sobre tais questões há anos, afirmando que “alguns cidadãos americanos de herança árabe ou muçulmana (incluindo palestinos-americanos) passaram por dificuldades significativas e tratamento desigual e ocasionalmente hostil nas fronteiras de Israel e postos de controle”.

“Cidadãos dos EUA que viajaram para países muçulmanos ou que são de origem árabe, do Oriente Médio ou muçulmana podem enfrentar questionamentos adicionais pelas autoridades de imigração e fronteira”, afirma o comunicado.

Israel geralmente justifica o uso de perfis, verificações de segurança intensivas e restrições aos palestinos como parte de seus esforços para impedir o terrorismo.

Oded Raz, ex-vice-chefe da divisão de serviços de segurança do Shin Bet, disse ao The Times of Israel em abril que houve uma melhora significativa no tratamento dos viajantes árabes no Aeroporto Ben-Gurion nos últimos anos.

Assim que Israel for incluído no VWP, terá acesso aos bancos de dados de viagens, sistemas de segurança e protocolos dos EUA, o que permitirá que Jerusalém ajuste suas próprias táticas e seja menos dependente de perfis. Permitir com sucesso que um pequeno segmento da população palestina viaje mais livremente poderia demonstrar como o mesmo poderia ser feito em uma escala maior.

Para muitas das organizações que avaliam o assunto nos EUA, o tratamento aprimorado de viajantes americanos não deve ser um subproduto da entrada de Israel no VWP, mas sim uma condição para sua aceitação que deve ser comprovada de antemão, e para mais do que apenas um período experimental de um mês.

“Reciprocidade significa mais do que uma solução alternativa que atenda a algumas necessidades específicas de Israel, e até mesmo uma que atenda a algumas necessidades palestinas”, disse o presidente do Arab American Institute, James Zogby, que estava na ligação de terça-feira com Nides.

“Aprecio que tenha sido reconhecido que os palestinos nos EUA precisam viajar para visitar a família ou que os palestinos-americanos na Cisjordânia precisam viajar pelo aeroporto [Ben-Gurion], mas o problema é  muito maior do que isso”, argumentou ele, insistindo que a entrada no VWP requer tratamento igual para todos os viajantes americanos, não apenas no Aeroporto Ben-Gurion, mas também nos postos de controle israelenses na Samária e Judeia.

“O problema é cada porta de entrada e saída. Não adianta muito entrar se você for humilhado a cada passo ao longo do caminho”, disse Zogby. “Ainda não estou convencido de que haja um entendimento suficientemente claro por parte de todos os envolvidos neste processo”.

Funcionários do governo dizem reconhecer as preocupações levantadas pelos céticos. No entanto, eles argumentam que não podem resolver todos os problemas de uma só vez e a entrada de Israel no VWP ainda apresenta uma oportunidade para também melhorar a vida de dezenas de milhares de palestinos-americanos.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Revista Bras.il

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *