Israel não quer guerra com Hezbollah

Segundo informações, Israel transmitiu às autoridades internacionais que não quer que o atrito na fronteira de segunda-feira se transforme em guerra com o grupo terrorista do Hezbollah, apoiado pelo Irã no Líbano, após a tentativa fracassada deste último de se infiltrar em Israel e atacar soldados das IDF na fronteira norte.

A mensagem dizia que Israel não está interessado em aumentar a situação, informou o site da Ynet na terça-feira, sem citar uma fonte ou especificar por quem a mensagem foi transmitida.

No entanto, a mensagem também dizia que, se necessário, Israel estaria pronto para dar um “golpe doloroso”, enfatizando que a Síria e o Líbano são responsáveis ​​pelo que acontece enquanto o Irã é a força motriz por trás disso.

Os militares israelenses disseram que nenhum soldado da IDF foi ferido durante o incidente na fronteira, no qual forças israelenses abriram fogo contra vários combatentes do grupo terrorista que entrou no território israelense, segundo o exército. O Hezbollah negou que o confronto tenha ocorrido, chamando-o de “absolutamente falso”.

As forças israelenses permaneceram em alerta máximo ao longo da fronteira norte e outras forças foram destacadas na segunda-feira, quando o grupo terrorista ameaçou atacar o Estado judeu em uma data futura não especificada.

O pessoal de segurança das comunidades da área fronteiriça não fariam patrulha durante a noite por medo de ser alvejado.

Os ministros foram instruídos a não dar entrevistas sobre a situação no norte.

Em uma declaração conjunta à imprensa na segunda-feira, na sede militar de Kirya em Tel Aviv, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reiterou que Israel continuaria a agir para impedir que o Irã estabelecesse uma base militar no Líbano e na Síria.

Ao tentar o ataque de segunda-feira, Nasrallah estaria tentando levar o Líbano e o Irã a um conflito com Israel, disse Netanyahu.

“Vemos a tentativa de se infiltrar em nosso território com grande gravidade. O Hezbollah e o Líbano assumem total responsabilidade por esse incidente e por qualquer ataque que saia do território libanês contra Israel”, acrescentou o premier, deixando claro que Israel responsabiliza o Líbano pelas ações do grupo terrorista com base em seu solo.

“O Hezbollah precisa saber que está brincando com fogo”, disse Netanyahu.

“Nasrallah já cometeu um grande erro ao testar a determinação de Israel de se defender, e o estado libanês pagou um preço muito alto por isso. Eu sugiro que ele não repita esse erro”, acrescentou, em uma aparente referência ao golpe dado por Israel durante a Segunda Guerra do Líbano de 2006.

Falando depois de Netanyahu, o ministro da Defesa Benny Gantz disse: “Israel está mais determinado do que nunca a evitar danos à sua soberania, seus soldados e, certamente, aos seus cidadãos”.

“O Líbano e a Síria são estados soberanos e terão a dolorosa responsabilidade por qualquer ato terrorista que ocorra em seu território”, acrescentou. “Quem se atreve a testar o poder das FDI colocará em risco a si próprio e ao país do qual opera”.

Ele afirmou que as forças de segurança israelenses continuariam operando “sempre que necessário – por mais perto ou longe”.

Nenhum soldado israelense foi ferido na tentativa de ataque na área de Mount Dov. A IDF desmentiu a mídia libanesa que um míssil Kornet teria sido lançado contra um tanque israelense no Monte Dov, também conhecido como Shebaa Farms, uma área que Israel, Líbano e Síria reivindicam como sua.

Mais tarde, o Hezbollah negou qualquer ataque ou troca de tiros com as forças israelenses, acrescentando que responderia em uma data futura ao assassinato de um de seus combatentes em um suposto ataque aéreo israelense na Síria na semana passada.

Em um comunicado lido em sua rede de televisão al-Manar, o Hezbollah disse: “Tudo o que o inimigo reivindica na mídia sobre impedir uma operação de infiltração do território libanês na Palestina ocupada, bem como falar sobre a queda de mártires e membros feridos do Hezbollah nas operações de bombardeio que ocorreram nas proximidades dos locais de ocupação nas Fazendas Shebaa – é absolutamente falso.”

Parecendo indicar que o assunto ainda não acabou, o grupo terrorista libanês disse que sua resposta à morte de seu combatente – Ali Kamel Mohsen Jawad – em um suposto ataque israelense na Síria “está definitivamente chegando. Os sionistas precisam apenas esperar que seus crimes sejam punidos”.

Autoridades de defesa israelenses zombaram da negação do grupo terrorista, dizendo que a tentativa de infiltração foi filmada por câmeras de segurança militar e que os agentes que participaram dela estavam armados. As Forças de Defesa de Israel disseram que estavam considerando divulgar as imagens do incidente.

O porta-voz da IDF, Hidai Zilberman, disse que alguns membros da célula do Hezbollah fugiram de volta para o Líbano, mas acrescentou: “Não sabemos ao certo suas condições neste momento”.

O canal de notícias Al-Mayadeen, afiliado ao Hezbollah, relata que nenhum combatente do Hezbollah foi morto durante o ataque fracassado.

Embora uma tensa calma tenha retornado a ambos os lados da fronteira após o incidente e todas as restrições de segurança a civis israelenses tenham sido rapidamente levantadas, Zilberman disse que os militares consideram o evento em andamento, com a possibilidade de ataques adicionais. As forças armadas mantiveram seus próprios bloqueios de estradas na área, impedindo que os veículos da IDF viajassem em certas rodovias ao longo da fronteira que eram consideradas vulneráveis ​​a ataques do Líbano.

Apesar da declaração oficial do Hezbollah, a agência de notícias Reuters citou um membro do grupo terrorista que disse que a tentativa de ataque ao Hezbollah era em retaliação à morte de seu combatente na Síria.

Os militares israelenses inicialmente ordenaram que os moradores das comunidades próximas ao Monte Dov e ao longo da fronteira entre Israel e Líbano permanecessem em suas casas, fecharam todas as estradas da região e ordenaram que todos os agricultores e turistas deixassem imediatamente todas as áreas abertas e terrenos agrícolas. Depois de uma hora, a IDF cancelou essas restrições, permitindo que civis no norte de Israel se movimentassem livremente pela área.

Fonte: Times of Israel

Foto: Forças do exército israelense estacionadas perto da fronteira entre Israel e Líbano nas Colinas de Golã, 27/07/2020 (David Cohen / Flash90)

2 thoughts on “Israel não quer guerra com Hezbollah

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *