Novas terapêuticas para mal de Parkinson

Cientistas da Universidade Ben-Gurion de Negev (BGU) descobriram uma proteína terapêutica promissora chamada BMP5 / 7 que pode retardar ou mesmo interromper a progressão da doença de Parkinson.

A doença de Parkinson afeta 1% da população com mais de 60 anos, ou seja, 10 milhões de pessoas em todo o mundo.

Acredita-se que a proteína “alfa-sinucleína”, presente em todos os cérebros humanos, se desdobra e forma aglomerados tóxicos nessas células, o que causa a doença.

Embora as terapias atuais para a Doença de Parkinson melhorem os sintomas, elas não são eficazes nos estágios avançados da doença e, infelizmente, não retardam ou curam a doença.

O Dr. Claude Brodski, chefe do Laboratório de Neurociência Molecular da BGU, descobriu que a sinalização de BMP5 / 7 nos neurônios foi significativamente reduzida nas células cerebrais produtoras de dopamina, o que poderia contribuir para o avanço da doença de Parkinson.

LEIA TAMBÉM

“Descobrimos, em pesquisa com camundongo, que o tratamento com BMP5 / 7 pode prevenir com eficiência os problemas de movimento causados pelo acúmulo de alfa-sinucleína e reverter a perda de células cerebrais produtoras de dopamina.”

“Essas descobertas”, acrescentou o Dr. Brodski, “são muito promissoras, pois sugerem que o BMP5 / 7 pode retardar ou interromper a progressão da doença de Parkinson. Atualmente, estamos concentrando todos os nossos esforços em trazer nossa descoberta para mais perto da aplicação clínica.”

A BGN Technologies, empresa de transferência de tecnologia da BGU, entrou com vários pedidos de patente cobrindo essa descoberta revolucionária.

“Há uma grande necessidade de novas terapias para tratar a doença de Parkinson, especialmente nos estágios avançados da doença”, observa a Dra. Galit Mazooz Perlmuter, vice-presidente sênior de desenvolvimento de negócios, biofarma da BGN Technologies.