Novo posto de controle no norte de Jerusalém

Depois de anos operando um ponto de checagem de pedestres completamente inadequado e ineficiente em Qalandiya, que muitas vezes deixava trabalhadores palestinos da Cisjordânia central esperando em filas extremamente longas, Israel finalmente inaugurou um novo posto de controle na região.

Dentro do posto de fiscalização, grupos de trabalhadores formaram linhas ordenadas e esperaram pacientemente sua vez de passar por detectores de metal e portões automáticos que verificaram suas permissões de entrada (todos os trabalhadores palestinos em Israel têm licenças biométricas) enquanto soldados da IDF e seguranças particulares os observavam à distância.

Agora em cinco a dez minutos, moradores da Cisjordânia passam pelo posto de controle e chegam com rapidez às vans e ônibus que os transporta até seus locais de trabalho.

O posto de controle está localizado no extremo sul de Kafr Aqab, o bairro mais ao norte de Jerusalém, que fica ao lado da barreira de segurança da Cisjordânia. Estima-se que 60.000 moradores de Kafr Aqab, muitos dos quais são residentes permanentes de Israel, e outros palestinos no centro da Cisjordânia devem atravessar Qalandiya ou outro posto de controle para chegar ao centro de Jerusalém.

Os trabalhadores, que têm vários empregos em Israel, disseram que o novo posto de controle é significativamente mais eficaz em comparação ao antigo. Dezenas de milhares de palestinos cruzam para Israel semanalmente para trabalhar em canteiros de obras, lojas, restaurantes e outros lugares, onde podem ganhar salários substancialmente mais altos do que em posições semelhantes na Cisjordânia.

“O antigo posto de controle, localizado ao lado do novo, não tinha a infraestrutura necessária para processar um grande volume de trabalhadores de maneira eficiente”, disse Ina Friedman, que passou os últimos dez anos visitando e monitorando Qalandiya semanalmente em nome da Machsom Watch, uma organização que rastreia o tratamento que Israel dá aos palestinos nos postos de controle na Cisjordânia. “Não havia instalações de verificação suficientes para a quantidade de pessoas que atravessavam diariamente, agora tudo flui com mais eficácia”.

O novo posto de controle tem seis estações de detectores de metal e 27 portas automáticas que leem eletronicamente as licenças biométricas; também tem vários guichês para aqueles que não possuem passes biométricos. O antigo posto tinha três passagens estreitas de metal antes de chegar a uma das cinco estações de inspeção, onde trabalhadores e outros precisavam passar por detectores de metal e apresentar manualmente suas permissões aos soldados.