IsraelNotícias

Rede de shoppings ameaça greve

O Big Shopping Centers ameaçou fechar os 24 centros da rede em Israel se o projeto de lei que impediria os tribunais de exercer revisão judicial sobre a “razoabilidade” das decisões do governo for aprovado pela Knesset.

A lei, parte dos planos da coalizão para reformar o judiciário, deve ser aprovada, hoje, na primeira das três votações plenárias pelas quais deve passar para se tornar lei.

Os organizadores dos protestos convocaram uma manifestação na terça-feira “como nunca antes vista em Israel” e dezenas de empresas de tecnologia disseram aos trabalhadores que podem tirar o dia de folga para se manifestar.

“Uma legislação como essa seria um golpe fatal para a segurança econômica e comercial em Israel e colocará direta e imediatamente em risco nossa existência como uma empresa líder em Israel”, disse o Big em comunicado. “Quando o país está tremendo e dilacerado por dentro, não podemos ficar à margem”.

O anúncio foi denunciado por integrantes da coalizão, com o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, pedindo boicote aos shoppings Big até que este peça desculpas.

Ben-Gvir insistiu que a votação ocorreria “apesar de todos aqueles que agem de forma agressiva”.

LEIA TAMBÉM

Alguns lojistas também criticaram o Big, lamentando as perdas esperadas devido à greve. “Eles estão destruindo nosso sustento”, disse um proprietário de loja. “Qualquer um que queira protestar deve fazê-lo com paixão, este é um país democrático, mas eles não nos deram o direito de escolha”.

Após as chamadas de boicote, várias empresas de tecnologia e startups anunciaram que começariam a comprar suprimentos para seus negócios na Big e não comprariam de nenhuma empresa que processasse o operador do shopping por causa da greve.

“O setor de tecnologia tem um enorme poder de compra entre empresas, funcionários e suas famílias, e direcioná-lo para o fortalecimento do BIG é um objetivo extremamente importante”, disseram dezenas de empresas de tecnologia em comunicado.

“Pedimos a mais empresas que demonstrem coragem como a BIG e que o público apoie as empresas que se opõem à ameaça à democracia. Além disso, não compraremos de empresas que processam a BIG pela coragem que ela demonstrou”, diz o comunicado.

Yaya Fink, membro do partido trabalhista, pediu aos apoiadores de um grupo de defesa do consumidor que ele lidera para fazer compras nos shoppings BIG.

Além das empresas de tecnologia e do BIG, mais de cem membros da equipe acadêmica e estudantes da Universidade Hebraica de Jerusalém declararam seu apoio aos protestos em uma carta aberta publicada no domingo.

Também no domingo, o líder da oposição Yair Lapid pediu ao sindicato trabalhista Histadrut para também entrar em greve.

Não houve comentários da Histadrut, que no final de março se juntou à greve geral de um dia desencadeada pela decisão do primeiro-ministro Benjamin Netanyahu de demitir o ministro da Defesa, Yoav Gallant. Gallant havia pedido uma pausa na legislação judicial em meio à crescente agitação sobre a reforma. A greve foi cancelada no mesmo dia depois que Netanyahu concordou em pausar o processo da legislação para permitir negociações com a oposição.

As negociações de reforma judicial mediadas pelo presidente Isaac Herzog fracassaram, levando os oponentes do governo a convocar e intensificar as manifestações e a coalizão a retomar seus esforços para alterar unilateralmente o sistema judiciário de Israel.

Lapid disse esperar que todos os membros da coalizão apoiem o chamado projeto de lei de razoabilidade em sua primeira leitura, mas tem esperança de que isso possa mudar em votações futuras.

“Há uma boa chance de haver pessoas que digam ‘basta'”, disse o líder do partido Yesh Atid, na rádio.

No sábado, os manifestantes se reuniram em todo o país pela 27ª semana consecutiva. “Se o governo não parar, todo o país vai parar”, disseram eles.

Além das manifestações, um número crescente de reservistas repetiu as ameaças de não se voluntariar para o serviço se a legislação for aprovada.

Fonte: Revista Bras.il a partir de The Times of Israel
Foto: Wikimedia Commons

One thought on “Rede de shoppings ameaça greve

  • Esse fiasco todo desses hipócritas é por causa da necessária reforma judicial que deixará o judiciário igualzinho a todas as verdadeiras democracias ao redor do mundo onde o papel do judiciário é fazer cumprir a legislação e não se opor a ela! Eu boicoto o antinacionalista esquerdista Big! E você?

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo