Roman Polanski revive os horrores no Holocausto

O renomado diretor de cinema Roman Polanski revisita o “horror” de sua infância no Holocausto em um novo documentário que estreou em Cracóvia, cidade natal do diretor, durante o Festival de Cinema de Cracóvia deste ano.

O filme “Polanski, Horowitz. Hometown”, segue Polanski enquanto ele percorre a cidade com seu amigo e também sobrevivente do Holocausto, o fotógrafo Ryszard Horowitz, que conheceu dentro do gueto durante a guerra

O documentário é sobre “memória, confrontos com o passado, transitoriedade, trauma, destino”, disse Mateusz Kudla, que dirigiu e produziu o filme com Anna Kokoszka-Romer.

Em uma cena Polanski se lembra de ter visto um oficial alemão nazista atirar em uma velha pelas costas, o sangue jorrando como água de um bebedouro. “Aterrorizado, passei correndo pela porta atrás de mim … me escondi atrás dessas escadas”, diz Polanski, que tinha apenas seis anos quando a Segunda Guerra Mundial começou.

Horowitz, que foi um dos ajudados pelo industrial alemão Oskar Schindler, arregaça as mangas em outra cena para revelar o número em seu antebraço quando chegou, aos cinco anos, ao campo de extermínio nazista de Auschwitz.

LEIA TAMBÉM

“Às vezes eu olho ao acaso e penso que não pode ser verdade, deve ser algum tipo de piada estúpida. É possível que eu estivesse lá e sobrevivi?”, pergunta Horowitz.

Os cineastas também capturaram o momento em que Polanski, visivelmente emocionado, conheceu o neto de Stefania e Jan Buchala, os camponeses católicos poloneses que o esconderam dos nazistas.

No ano passado, o Instituto Yad Vashem de Jerusalém deu o título de “Justo entre as Nações” à família que escondeu Polanski em uma vila perto de Wadowice durante a guerra.

O filme não menciona as múltiplas alegações de agressão sexual contra Polanski, que é persona non grata em Hollywood e não pode retornar aos Estados Unidos.

“Esse não era o nosso objetivo, nem a nossa intenção de defender ou acusar ninguém. Este filme é sobre outro capítulo na vida de Roman Polanski “, disse Kokoszka-Romer.

Kudla pede aos espectadores que considerem a possibilidade de que “talvez, neste caso, Polanski tenha feito a coisa certa ao dar testemunho do Holocausto para evitar que a história se repita”.

Os cineastas esperam que o documentário esteja eventualmente disponível online ou em plataformas de streaming.

Fonte: AJN
Foto: Divulgação (via O Povo)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *