Shalom, Y’All! Museu da Vivência Judaica nos EUA

O Museu da Vivência Judaica do Sul (MSJE) em New Orleans nos EUA deve ser aberto no outono de 2020. As exposições explorarão as várias maneiras pelas quais os judeus no sul dos Estados Unidos influenciaram e foram influenciados pelo patrimônio cultural de suas comunidades, cobrindo 13 estados e mais de 300 anos de história, incluindo o período colonial, guerra civil, Segunda Guerra Mundial e o movimento dos direitos civis.

“Este será o único museu do país a se concentrar exclusivamente na história e cultura dos judeus em todo o Sul”, disse o presidente do museu, Jay Tanenbaum.

Exibições multimídia ilustrarão como os imigrantes judeus e as gerações seguintes se adaptaram à vida no Sul, formando laços de profunda amizade e comunidade com seus vizinhos não judeus. O museu também abordará questões de raça e antissemitismo, e as maneiras pelas quais os judeus do sul enfrentaram esses desafios em momentos diferentes.

Segundo Kenneth Hoffman, diretor executivo do museu, “as contribuições que fizeram e a aceitação que receberam atestam algo único no coração do sul.”

Nova Orleans foi escolhida como a casa do museu, com base na vibrante economia turística da cidade, na longa história judaica e na conexão histórica com a região sul do país. O MSJE estará localizado no popular “distrito dos museus” da cidade, próximo ao Museu Nacional da Segunda Guerra Mundial, ao Museu de Arte do Sul de Ogden e ao Centro de Arte Contemporânea, na histórica linha de bonde da St. Charles Avenue.

A coleção de mais de 7.000 artefatos do museu foi transferida do museu original da Experiência Judaica do Sul, criado em 1986 no Jacobs Camp, em Utica, Mississippi, e fechada em 2012.

“Nossa esperança é que os visitantes saiam com uma compreensão ampliada do que significa ser judeu, o que significa ser sulista e, finalmente, o que significa ser americano”, diz Hoffman.

Os funcionários do museu estão incentivando os judeus locais a considerar doar objetos relevantes para a coleção. Os curadores estão especialmente interessados em itens da história judaica primitiva (1800), itens relacionados às histórias de mulheres e pessoas de cor e qualquer item com uma forte conexão com uma história pessoal da vida judaica do sul.