Sinagoga de Alexandria é reaberta

Depois de um longo período de restauração a Sinagoga Eliyahu Hanavi, em Alexandria, no Egito, foi reaberta. Sua restauração é um símbolo do compromisso do governo egípcio com o passado multicultural do país. As reformas levaram cerca de dois anos e meio e foram investidos pelo governo egípcio cerca de US$ 6 milhões na restauração do prédio, segundo o Conselho Supremo de Antiguidades.

A Sinagoga Eliyahu Hanavi tem espaço suficiente para 700 fiéis e tem uma sala separada dedicada aos rolos da Torá que, atualmente, abriga mais de 60 rolos. O edifício está localizado sobre as ruínas de uma sinagoga anterior construída em 1354. O local original sofreu sérios danos durante a campanha egípcia de Napoleão e foi reconstruído em 1850.

Dos 40 mil membros da congregação, em 1940, hoje apenas 20 judeus vivem em Alexandria.

Emigração judaica do Egito

Ao todo, cerca de 80.000 judeus viviam no Egito. A vida dos judeus no Oriente Médio tornou-se cada vez mais difícil depois do estabelecimento do Estado de Israel em 1948, o que desencadeou a primeira onda de judeus egípcios deixando sua terra natal para Israel.

Uma segunda onda começou na época da Crise de Suez, em 1956, que provocou novos ataques contra cidadãos judeus. Por fim, a maioria dos judeus restantes fugiu do país após a Guerra dos Seis Dias em 1967.

Embora o Egito e Israel tenham assinado um tratado de paz na primavera de 1979, a mudança teve pouco efeito na sociedade egípcia, tornando a situação muito difícil para os poucos judeus que permaneceram.

A sinagoga rapidamente se deteriorou quando os judeus egípcios fugiram para Israel e o edifício foi fechado ao público.

Segundo Magda Haroun, presidente da Comunidade Judaica no Egito, apesar de haver tão poucos judeus no Egito, a sinagoga será um local importante, pois representa a história dos judeus em Alexandria. Magda também acha improvável que as sinagogas egípcias sejam usadas para cerimônias religiosas em um futuro próximo. “Podemos usá-los para realizar concertos ou discussões culturais, porque não serão usados ​​para cerimônias religiosas”, disse ela.

A restauração da sinagoga também foi recebida com entusiasmo em Israel. “Congratulamo-nos com os esforços do Egito de manter os locais judaicos que existem lá por mais de 2.000 anos”, disse Lior Haiat, porta-voz do Ministério de Relações Exteriores de Israel.