A situação do coronavírus, agora, em Israel

O toque de recolher e outras restrições impostas aos israelenses para retardar a propagação da pandemia de coronavírus durante o feriado de Pessach foram suspensos na sexta-feira às 6 horas da manhã. O número de israelenses infectados com o novo vírus atingiu 10.095, dos quais 164 estão em estado grave, e 93 morreram. Na sexta-feira de manhã, 125 pessoas estão intubadas.

Uma extensão até o final da festa de sete dias está sendo estudado, continuando a proibição de viagens interurbanas, exceto em casos urgentes e quando alimentos, remédios ou outros serviços essenciais não estiverem disponíveis nas proximidades. Ainda assim, o transporte público – exceto os táxis – e os voos não serão realizados até domingo de manhã. E, como já se tornou normal, os cidadãos só poderão andar a 100 metros de casa.

O Canal 12 informou que algumas companhias aéreas receberam permissão dos ministérios dos Transportes e do Interior para desembarcar no país, inclusive vindos de locais com alta incidência de coronavírus, como a cidade de Nova York. Esses viajantes foram liberados no Aeroporto Ben-Gurion sem serem testados quanto ao coronavírus e não receberam ordem de isolamento, segundo a notícia. O Ministério da Saúde disse que não tinha conhecimento dos voos.

Ao mesmo tempo, o Conselho de Segurança Nacional (NSC) disse que apresentou um plano de estratégia de saída para depois de Pessach. O plano, a ser executado em fases, inclui aumentar a porcentagem de trabalhadores autorizados a retornar ao campo, além de testar diferentes modelos de trabalho em turnos ou em dias diferentes. A educação especial seria retomada e lentamente as pré-escolas e, eventualmente, todo o sistema escolar.

Em seguida, o plano do NSC permitiria que as pessoas viajassem mais longe de suas casas. O plano, no entanto, mantém os shoppings e a maioria dos estabelecimentos de lazer fechados.

O plano de várias etapas também envolve a liberação das cidades por nível de infecção – menos infectadas primeiro – e pessoas por categoria etária – mais jovens e saudáveis primeiro.

Isso ocorre no cenário de discussões sobre a extensão do fechamento apenas nas cidades com as maiores taxas de infecção, como Jerusalém e Bnei Brak, embora essa ideia tenha enfrentado forte oposição no gabinete. Durante a noite, um comitê ministerial especial sobre coronavírus tomou a decisão de estender o bloqueio de Bnei Brak por cinco dias, mas aliviar algumas das restrições à cidade haredi (ultraortodoxa).

Na noite de quinta-feira, o Ministério da Saúde divulgou dados atualizados sobre o número de pacientes com coronavírus por município. O relatório mostrou uma tendência promissora na maioria das áreas.

O diretor-geral do Ministério da Saúde, Moshe Bar Siman Tov, disse ao Canal 12 que as tendências se devem às políticas de coronavírus do país e à adesão do público às diretrizes do ministério.

No entanto, nem todas as cidades são iguais. Em Jerusalém, o número de pacientes confirmados com coronavírus entre terça e quinta-feira aumentou 11,3% e chegou a 1.630, enquanto em Bnei Brak aumentou 15% em dois dias para 1.594.

Houve também um aumento acentuado de 25% dos pacientes em Elad e um aumento de 24% em Tiberíades. Em Rishon Lezion, o número de pacientes aumentou 18% em dois dias e chegou a 180. Em Modiin Illit, o número de pacientes confirmados aumentou 15,2%, para 174.

Em Tel Aviv, que tem o quarto maior número de pacientes, agora existem 415 pessoas infectadas, um aumento de 5,6% nos últimos dois dias.

O ministro da Defesa Naftali Bennett criticou a proposta do Ministério da Saúde de continuar o bloqueio em todo o país, argumentando na noite de quinta-feira que o fechamento do país levará a danos econômicos devastadores.

“O fechamento total de Israel, que estava muito correto no início, não pode continuar sendo a principal ferramenta no longo do tempo, devido ao seu impacto devastador sobre as empresas e os empregos em Israel”, disse ele. “O Ministério da Saúde está apegado em uma ideia que não acredita na centralidade dos testes, que é uma ferramenta para sair desta crise.”

Bennett argumentou que os israelenses devem poder voltar ao trabalho e que realizar mais testes de coronavírus, mantendo as pessoas de alto risco em quarentena, como os idosos, mas permitir que outras pessoas trabalhem é mais sensato.

Quando se trata de mortes, a maioria dos israelenses que foram vítimas do COVID-19 é idosa, incluindo muitos residentes em casas de idosos, que constituem cerca de 30% de todas as mortes por coronavírus.

Mais três ex-residentes do centro geriátrico de Mishan, em Beer Sheba, morreram, elevando o número de mortos para 11. Além disso, mais duas pessoas faleceram na casa de idosos de Yavniel, elevando o número de mortos para cinco.

A notícia vem em meio a um anúncio do Ministério da Saúde na terça-feira de que o país estará aumentando os testes nos lares de idosos, para que, quando um residente ou membro da equipe adoecer com coronavírus, todos os residentes e funcionários sejam testados. Essa iniciativa foi lançada já durante o feriado de Pessach e, segundo a Magen David Adom e o Ministério da Saúde, cerca de 3.000 testes foram realizados em casas de repouso na quinta-feira. Espera-se que um número semelhante seja realizado a cada um dos próximos dias.

No entanto, Bennett solicitou mais uma vez na noite de quinta-feira que seu ministério e a FDI recebessem imediata responsabilidade pelos testes, em um esforço para conter o vírus. Ele alertou que o país não apenas corre o risco de não ser capaz de sair da crise, mas também de um novo surto da pandemia.

“Sem testes extensivos, rápidos e precisos, teremos que continuar a abordagem de ‘martelo’ que exige um fechamento abrangente de todos os cidadãos israelenses, em vez de uma política de ‘pinças’ que permitirá que a economia israelense se abra, com isolamento local ou o fechamento de áreas específicas”, disse ele.

Segundo o ministro da Defesa, há poucos testes e os testados devem esperar de cinco a seis dias antes de receber o resultado. “A falta de crença na importância dos testes é como se um comandante de brigada não quisesse receber informações sobre território inimigo para ação”, disse ele. “Esta é a tarefa mais urgente do governo israelense. Não devemos desperdiçar nem um dia.”

Em resposta, um alto funcionário próximo ao primeiro-ministro disse que “em uma emergência, espera-se que um ministro do governo se comporte de forma responsável e mantenha discussões nos fóruns profissionais do governo, e não na mídia. O primeiro ministro, que está conduzindo a luta contra o coronavírus de maneira responsável e otimizada com especialistas em Israel e em todo o mundo, permite que todos os ministros expressem seus pontos de vista plenamente nos debates do governo.”

Do lado positivo, três pacientes em recuperação de coronavírus, com idades de 91, 96 e 97  anos foram liberados do Centro Médico da Galileia em Nahariya durante o feriado e retornaram às suas casas na cidade.

O paciente mais jovem de coronavírus do país, um bebê de cinco semanas que foi hospitalizado no Centro Médico Sheba, Tel Hashomer, na quarta-feira, está em boas condições e sua vida não está em perigo, segundo o hospital. A criança está sendo tratado na unidade de coronavírus do hospital por uma equipe de terapia intensiva pediátrica. Supõe-se que o bebê tenha sido infectado por um familiar próximo que também está sendo tratado pelo vírus no Hospital Sheba.

De modo geral, os israelenses obedeceram às regras de emergência impostas para o feriado de Pessach, em um esforço para conter a propagação da doença mortal.

Milhares de policiais, acompanhados por cerca de 1.400 soldados desarmados da FDI, fiscalizaram o cumprimento das determinações de bloqueio em todo o país como parte da “Operação Proteção da Primavera”. A polícia usou helicópteros, drones e “outras tecnologias” para fazer cumprir os regulamentos e distribuiu mais de 1.000 multas a pessoas que violavam o toque de recolher.

A partir das 7h do domingo, o uso de máscara facial em espaços públicos por qualquer pessoa com mais de seis anos de idade será obrigatório. Os motoristas serão obrigados a usar máscaras se tiverem outra pessoa em seu carro que não seja membro de sua família imediata.

Fonte: Jerusalem Post

 

2 thoughts on “A situação do coronavírus, agora, em Israel

  • 10 de abril de 2020 em 13:52
    Permalink

    Que a boa mão do Senhor Altíssimo seja com vocês eternamente … cremos que chegará em breve; o fim desta epidemia.

    Resposta
  • 10 de abril de 2020 em 14:27
    Permalink

    Parabens pelas restrições em Israel. Estou preocupadíssimo que no Brasil não seja obrigatório o uso de máscaras. quando acabar a quarentena, sem as máscaras, aumentará assustadoramente os casos de corona.

    Resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *