A partir de hoje o uso de máscara é obrigatório

O Ministério da Saúde de Israel está instruindo o público a usar máscaras ao sair de casa como parte de uma tentativa de combater o vírus, mas enfatiza que a obrigação não se aplica a crianças menores de seis anos, pessoas portadoras de deficiência que tenham dificuldade de usar máscara, motoristas sozinhos em um veículo ou com pessoas que moram com eles, pessoas que participam de uma transmissão nos meios de comunicação ou duas pessoas que trabalham juntas regularmente, desde que se mantenham a mais de 2 metros de distância. As máscaras podem ser caseiras ou improvisadas, mas devem cobrir a boca e o nariz.

A determinação junta-se às outras restrições impostas na luta contra o vírus. Atualmente, em todas as localidades, é possível sair até 100 metros das casas, exceto em casos essenciais: trabalho quando permitido por lei; compra de alimentos, medicamentos, produtos essenciais e serviços urgentes; receber serviço médico; doação de sangue; procedimentos legais; manifestações; chegar a Knesset; assistência social; assistência médica a outra pessoa com dificuldade; oração em local aberto, funeral, casamento, mikva para mulheres; levar filhos de trabalhadores essenciais para algum ambiente educacional e estruturas especiais. Pede-se ao público que fique em casa, exceto dentro dos objetivos estabelecidos nos regulamentos.

Além disso, o tráfego ferroviário permanecerá desativado, semelhante à situação anterior a Pessach. Os serviços de táxi continuam como de costume, mas apenas um passageiro é permitido ou outro acompanhante para fins médicos, com os passageiros no banco de trás e as janelas do carro abertas. Além disso, os serviços de transporte para os locais de trabalho estão sujeitos a restrições.

Durante o período de Chol Hamoed, espera-se que Netanyahu convoque um comitê para examinar um plano para restaurar a economia a uma rotina. Evidentemente, os primeiros passos a serem tomados serão aumentar o escopo do trabalho em locais de trabalho essenciais e abrir grandes lojas de rua e comerciais. No entanto, voos comerciais, bem como sinagogas, restaurantes e cafés, não estão nesta fase.