Adolescente encontra artefatos históricos no Golã

O adolescente israelense Omer Skolnik, de 13 anos, encontrou artefatos históricos em um antigo bunker do exército sírio nas Colinas de Golã.

“Desde que me lembro, tenho um hobby incrível de colecionar artefatos”, disse ele. “Nos últimos anos eu o desenvolvi com o objetivo de coletar artefatos militares.”

Aos 10 anos, Skolnik recebeu um detector de metais de presente e desde então tem explorado novos lugares, principalmente campos históricos, em busca de itens que possam lançar alguma luz sobre a história.

O jovem mora em Nes Ziona e logo entrará no primeiro ano do Ensino Médio. Um de seus locais favoritos para explorar é um antigo campo de batalha da Primeira Guerra Mundial que viu forças da Nova Zelândia, lutando nas fileiras do exército egípcio, contra soldados do Império Otomano.

“Eu moro próximo a um campo de batalha e às vezes vou lá com meu pai ou amigos para procurar artefatos interessantes. Até hoje encontrei botões de uniformes militares britânicos e, principalmente, munições antigas. Tudo o que encontro, mantenho e publico na Internet. Mesmo quando voamos para o exterior, preparo um mapa com antecedência e marco todos os lugares que podemos ir e procuro itens interessantes”, disse.

Na semana passada, o adolescente israelense e sua família estavam de férias nas Colinas de Golan, no norte. Desta vez, ele também preparou uma lista dos lugares que planejava explorar.

LEIA TAMBÉM

“Durante os preparativos para a viagem, encontrei um local perto da base Revaya do Corpo Blindado das FDI na área de Trump Heights, que foi descrito como um bunker sírio. Caminhamos pela área e finalmente começamos a explorá-la. No começo não achei, mas isso é comum porque às vezes as aberturas são pequenas e ficam escondidas”, disse.

“Dentro havia muitas coisas, cápsulas atuais. Também encontramos restos de um chapéu, pedaços de uniforme com manchas de sangue, lâminas de barbear, garrafas e inúmeros documentos”, continuou.

Skolnik guardou os documentos e iniciou a tarefa de traduzi-los com a ajuda de pessoas na internet e parentes de língua árabe.

“Com base na tradução, entendemos que [um dos documentos] foi aparentemente escrito por um médico sírio, contendo uma longa lista de drogas que ele pediu ao exército sírio para fornecer ao bunker”, disse Skolnik.

“É difícil transformar um hobby em profissão, mas quero ser historiador. Espero ter sucesso”, concluiu.

Fonte: Israel Hayom
Foto: Omer Skolnik