Alemanha pede perdão por falhas nos Jogos de Munique

O presidente da Alemanha pediu perdão, nesta segunda-feira, pelas falhas fatais de seu país em proteger os onze atletas israelenses assassinados por terroristas palestinos, há 50 anos, nos Jogos Olímpicos de 1972 em Munique.

“Como chefe de Estado deste país e em nome da República Federal da Alemanha, peço seu perdão pela proteção lamentavelmente inadequada concedida aos atletas israelenses nos Jogos Olímpicos de Munique e pela investigação lamentavelmente inadequada depois, pelo fato de que tenha sido possível que o que aconteceu acontecesse”, disse o presidente alemão Frank-Walter Steinmeier em uma cerimônia de comemoração para marcar o 50º aniversário dos Jogos Olímpicos de 1972, que contou com a presença de parentes das vítimas e autoridades alemãs e israelenses.

A cerimônia foi realizada poucos dias depois de as famílias das vítimas, que ameaçaram boicotar o evento de comemoração, na semana passada, terem chegado a um  acordo de compensação  com o governo alemão, encerrando uma disputa de décadas.

“O ato de lembrança de hoje só pode ser sincero se estivermos preparados para reconhecer fatos dolorosos, se reconhecermos que a história do ataque olímpico também é uma história de erros de julgamento e de erros terríveis e fatais: de fato, fracasso”, admitiu Steinmeier. “Estamos falando de uma grande tragédia e um triplo fracasso”.

“O primeiro fracasso diz respeito aos preparativos para os jogos e à estratégia de segurança; a segunda compreende os eventos de 5 e 6 de setembro de 1972; e a terceira falha começa no dia seguinte ao ataque: o silêncio, a negação, o esquecimento”, elaborou.

Steinmeier enfatizou que era responsabilidade da Alemanha como anfitriã dos jogos proteger esportistas de todo o mundo, especialmente os de Israel.

LEIA TAMBÉM

“Houve sobreviventes da Shoah entre os atletas e seus treinadores”, disse Steinmeier. “A segurança deles foi confiada a nós. Que grande voto de confiança foi participar, depois dos crimes contra a humanidade da Shoah, nos Jogos Olímpicos sediados no país dos perpetradores”.

“Não estávamos preparados para um ataque desse tipo e, no entanto, deveríamos estar; isso também faz parte da amarga verdade”, admitiu.

Steinmeier anunciou que o governo alemão estabelecerá uma comissão de historiadores israelense-alemã para “lançar luz sobre esse capítulo sombrio”.

Dirigindo-se às famílias das vítimas, Steinmeier disse: “Vocês têm o direito de finalmente saber a verdade, de finalmente receber respostas para as perguntas que os atormentam há décadas. E elas incluem a questão de por que vocês foram deixados sozinhos com seu sofrimento, sua dor, por tanto tempo”.

Também falando na cerimônia memorial, o presidente de Israel, Isaac Herzog, elogiou o governo alemão por assumir a responsabilidade pelos fracassos em torno e após o massacre de Munique, após décadas de negligência.

“Para as famílias das vítimas, sua dor e tristeza pela perda de seus entes queridos foram agravadas por sua angústia com essa indiferença e frieza”, disse Herzog. “Foram anos em que parecia que uma simples verdade havia sido esquecida: esta não era uma tragédia exclusivamente judaica e israelense, era uma tragédia global! Uma tragédia que deve ser lembrada e rememorada em todos os Jogos Olímpicos”.

Ankie Spitzer, a viúva de um dos 11 atletas israelenses mortos, cujo marido era o técnico de esgrima Andre Spitzer, dirigiu-se a ele durante seu discurso, observando que “embora depois de 50 anos, estamos finalmente atingindo nosso objetivo. Mas, afinal, você se foi e nada pode mudar isso.”

“Todo mundo está perguntando agora se eu sinto o fechamento [do caso]”, disse Spitzer. “Eles não entendem que nunca haverá fechamento. O buraco no meu coração nunca vai cicatrizar”.

Fonte: The Algemeiner
Foto: Amos Ben-Gershom (GPO)