Armas são roubadas de museu em Israel

A polícia israelense está investigando o roubo de 20 armas de fogo datadas da década de 1940 que estavam expostas em vitrines em um museu no Kibutz Mishmar HaSharon, na noite de sexta-feira.

As armas desativadas pertenciam à Haganah, a maior organização militar clandestina judaica no Mandato Britânico na Palestina pré-Israel. De acordo com jornais israelenses, as armas roubadas não eram mais capazes de disparar munição real.

Durante a década de 1940, as armas foram escondidas sob um celeiro no kibutz junto com vários morteiros e equipamentos de comunicação. As autoridades britânicas vasculharam intensamente o kibutz, mas nunca encontraram o esconderijo.

O kibutz está localizado no Conselho Regional de Emek Hefer no centro de Israel, perto de Netanya.

O museu está instalado em um edifício foi renovado e declarado patrimônio nacional, onde os visitantes podem aprender mais sobre o submundo judaico da década de 1940.

“Vemos a invasão do esconderijo secreto da Haganah, que é um patrimônio que contém itens históricos de grande importância, muito gravemente”, disse o Conselho Regional de Emek Hefer em comunicado.

LEIA TAMBÉM

“Temos certeza de que todos os esforços serão feitos pela polícia para encontrar as armas e devolvê-las ao esconderijo secreto, e levar os assaltantes à justiça”, acrescentou a autoridade local.

O esconderijo foi montado em 1940 pela Haganah, sob um celeiro no kibutz. Segundo o conselho regional, em 1946, as autoridades britânicas revistaram a cidade mas não encontraram o esconderijo.

Há alguns anos, a entrada do esconderijo foi renovado e transformada em museu com visitas guiadas.

Em fevereiro, seis ladrões invadiram um museu dedicado à Brigada Golani e roubaram várias armas desativadas, antes de serem presos, horas depois.

Fontes: The Times of Israel e WIN
Foto: Conselho Regional de Hefer Valley

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.