Israel ultrapassa 2.000 mortes por COVID-19

Israel ultrapassou a marca de 2.000 mortes devido ao coronavírus, anunciou o Ministério da Saúde na segunda-feira, com mais de 1.000 pessoas morrendo em pouco mais de um mês, representando um expressivo crescimento do número de mortes na segunda onda da pandemia.

O triste marco foi alcançado mesmo quando o contágio parecia estar diminuindo, com as taxas de transmissão diminuindo após o segundo bloqueio nacional.

Israel registrou sua primeira morte COVID-19 em 21 de março e atingiu 500 mortes em 30 de julho. Em pouco mais de um mês, a partir dessa data, o país registrou mais 500 mortes, atingindo a marca de 1.000 mortes em 5 de setembro. Apenas um mês depois, em 12 de outubro, dobrou.

Até a noite de segunda-feira, 2.016 israelenses morreram da doença, com 293.553 portadores confirmados do vírus, disse o Ministério da Saúde. De 52.892 casos ativos de COVID-19, 827 estavam em estado grave, incluindo 227 em ventiladores. Havia 287 pacientes em estado moderado, com o resto apresentando sintomas leves ou nenhum sintoma.

LEIA TAMBÉM

Israel tem estado sob um bloqueio nacional por mais de três semanas para conter uma segunda onda violenta da pandemia, que em um ponto atingiu cerca de 9.000 casos diários.

No entanto, nos últimos dias, o número de casos diários e a porcentagem de testes positivos diminuíram em meio a grandes restrições ao público.

O plano do Ministério da Saúde de diminuir gradualmente o bloqueio nacional do coronavírus durará pelo menos quatro meses e dependerá da redução do número de casos diários.

O plano propõe datas-alvo para os diferentes estágios de suspensão das restrições, mas qualquer atenuação das limitações pode ser adiada se a taxa de infecção não cair o suficiente.

O plano de saída do segundo bloqueio envolve o chamado programa de semáforos, que divide as cidades em categorias codificadas por cores: vermelho, laranja, amarelo e verde, de acordo com a gravidade do surto que estão enfrentando.

Autoridades disseram que diferentes localidades podem ter cronogramas diferentes para suspender o bloqueio. No mês passado, quando Israel entrou em seu segundo bloqueio nacional, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu reconheceu que seu governo reabriu partes da economia muito rapidamente após o primeiro bloqueio.

Foto: Darkeinu – Israelenses acendem 2.000 velas na Praça Paris de Jerusalém pelas vidas perdidas no país na pandemia do coronavírus

One thought on “Israel ultrapassa 2.000 mortes por COVID-19

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *