Operação no Irã dá prêmio ao Mossad

O Prêmio de Segurança de Israel foi concedido a uma equipe do Mossad que invadiu o arquivo nuclear do Irã e contrabandeou, em 2018, documentos secretos que incluíam 55.000 páginas e 183 CDs. Segundo relatos, eles foram removidos em uma noite, mas alguns documentos tiveram que ser deixados para trás porque eram muito pesados.

De acordo com informações fornecidas pela televisão israelense, um comitê liderado pelo primeiro-ministro e também responsável pelo portfólio de defesa Benjamin Netanyahu tomou a decisão de conceder o prêmio, citando o risco significativo envolvido na operação.

Os prêmios são concedidos aos israelenses reconhecidos por melhorar a segurança do estado e manter seu poder e vantagem qualitativa no campo de batalha, tanto tecnologicamente quanto operacionalmente. Um dos ganhadores anteriores do Prêmio de Segurança de Israel foi o desenvolvedor do sistema antifoguete Iron Dome.

Em uma transmissão pela TV em rede nacional, em 2018, Netanyahu descreveu o esconderijo dos documentos. “Aqui é onde eles mantiveram os arquivos atômicos. Aqui poucos iranianos sabiam onde ele estava, muito poucos, e também alguns israelenses”, disse Netanyahu.

“Agora, do lado de fora, este era um lugar de aparência inocente. Parece um armazém em ruínas. Mas dentro continha arquivos atômicos secretos do Irã trancados em enormes arquivos”, disse ele.

“E aqui temos cinquenta e cinco mil páginas. Outros 55.000 arquivos em 183 CDs. Tudo o que você está prestes a ver é uma cópia exata do material iraniano original”, disse ele, acrescentando: “Você pode querer saber onde estão os originais. Bem, eu posso dizer que eles estão agora em um lugar muito seguro”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *