Cesareia: o antigo e o novo na cúpula do Rei Herodes

Um novo centro de visitantes foi inaugurado no Parque Nacional de Cesareia. Construído nas ruínas de quatro enormes abóbadas reconstruídas que forneceram a base para um templo pagão construído pelo rei Herodes no primeiro século A.E.C.

Cesareia é o parque nacional mais visitado do país, com mais de 900.000 visitantes por ano, a maioria de fora de Israel. O centro de visitantes faz parte de uma doação da Fundação Edmond de Rothschild, em cooperação com a Autoridade de Antiguidades de Israel, a Caesareia Development Corporation e a Autoridade de Natureza e Parques.

Cesareia foi o primeiro porto de águas profundas construído no antigo Oriente Médio, utilizando tecnologia de ponta da época para afundar plataformas feitas de rocha vulcânica no fundo do mar. Herodes nomeou o porto e a cidade de Cesareia em homenagem a Augusto César, o primeiro imperador do império romano.

Foi a maior cidade do antigo Israel, com mais de 100.000 habitantes em seu auge. As primeiras escavações nas ruínas começaram em 1873 com o Fundo de Exploração da Palestina. Arqueólogos modernos trabalham no lugar continuamente desde 1992.

As 14 abóbadas maciças foram originalmente construídas como armazenamento para o porto. Quatro das abóbodas foram adaptadas para criar o centro do visitante, exibindo os achados mais impressionantes do sítio combinados com efeitos audiovisuais para ilustrar a história da área.

No alto das abóbodas, Herodes construiu um templo para homenagear Augusto César. Nada resta do templo, mas os arqueólogos sabem que apenas as colunas tinham pelo menos 27 metros de altura, o equivalente a três andares, de altura para acolher os navios à distância. As abóbodas foram construídas usando a mesma engenharia de outro projeto de Herodes, o Muro das Lamentações em Jerusalém.

“Este lugar é um reflexo do destino humano”, disse a baronesa Ariane de Rothschild, que falou em nome da Fundação Rothschild. “Através de sua história turbulenta, Cesareia abriu suas portas para o mundo, sempre foi um lugar onde o pensamento e as mercadorias foram para o mundo. Era um porto de pensamento e arte, comércio e prazer, pensamento e talento. A restauração de Cesarea foi feita não apenas por razões arqueológicas, econômicas e de lazer. Cesareia deve ser um modelo para a inclusão pioneira de Israel e da humanidade ”.

Notando que a cidade abrigou a todos, incluindo judeus, pagãos, samaritanos, cristãos, mercadores bizantinos, marmaluques, cruzados, políticos otomanos, refugiados bósnios e turistas internacionais, de Rothschild considerou a cidade como um exemplo de como um único lugar pode “acolher todas as suas tribos”, disse ela.

Michael Karsenti, CEO da Caesareia Development Corporation, disse que o lugar espera dobrar o turismo nos próximos seis anos, alcançando até 2 milhões de turistas por ano até 2025.

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *