Coalizão ameaçada por lei de cidadania

O gabinete do primeiro-ministro Naftali Bennett votou por 18 a 8, no domingo, para retirar os obstáculos à lei da cidadania que reforça os controles de imigração e tornaria mais difícil para os palestinos que se casam com árabes israelenses receber a cidadania.

Espera-se que o projeto de lei chegue ao plenário da Knesset para sua primeira leitura, na segunda-feira.

“Mais de 100 membros da Knesset apoiam o projeto de lei, que é importante para a segurança da nação e para manter seu caráter judaico”, escreveu a ministra da Interior Ayelet Shaked no Twitter.

Tanto o partido de esquerda Meretz quanto o islâmico Ra’am se opõem à legislação, que eles dizem discriminar a população árabe de Israel, e ambos alertaram para as consequências para a coalizão se o governo avançar em uma questão contenciosa ignorando sua oposição.

O líder do Partido Ra’am, Waleed Taha, respondeu no domingo que os deputados de seu partido podem votar em qualquer coisa que quiserem se a coalizão não impuser disciplina.

O líder do Meretz, Nitzan Horowitz, chamou a lei de racista e discriminatória e disse que ela não pertence a um país democrático.

“A decisão de cooperar na aprovação do projeto de lei com Netanyahu, Smotrich e Ben-Gvir é uma violação grosseira do acordo de coalizão, e o Meretz não permitirá isso”.

LEIA TAMBÉM

Existem três versões do projeto, patrocinadas pela ministra do Interior Ayelet Shaked, pelo deputado Simcha Rothman do Partido Religioso Sionista e pelo deputado Avi Dichter, do Likud, que serão todas levadas a votação na próxima semana.

A coalizão não conseguiu aprovar nenhum projeto sobre esta questão até agora, devido à dissidência interna e à recusa da oposição em aprovar qualquer lei patrocinada pela coalizão.

A nova estratégia de não forçar a coalizão visa permitir que pelo menos uma versão do projeto seja aprovada, como exige o Superior Tribunal de Justiça. Mas o Meretz, que se opõe às três versões do projeto, prometeu ir contra a coalizão.

“Nós nos opomos a esse projeto de lei cruel”, disse a ministra Tamar Zandberg, ao canal da Knesset. “Permitir a liberdade de voto é uma boa maneira de minar a coalizão. É inaceitável para nós. A coalizão não pode funcionar dessa maneira. Em uma coalizão de 61, há muito que podemos fazer. Medidas serão tomadas”.

Mesmo com a queda do projeto, em julho, devido à deserção de última hora do deputado Amichai Chikli, Shaked continuou impedindo a reunificação das famílias palestinas. Mas o Supremo Tribunal de Justiça decidiu no mês passado que ela não pode agir como se o projeto tivesse sido aprovado.

Shaked então tentou aprovar o projeto de Rothman e conseguiu fazê-lo passar pelo comitê ministerial de legislação. Mas o primeiro-ministro alternativo Yair Lapid apelou e impediu que ele avançasse até agora.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: ניצן חרמוניCC BY-SA 2.0, via Wikimedia Commons (Ayelet Shaked) e Knesset (Nitzan Horowitz)