Lei da Cidadania será votada na Knesset

O governo liderado pelo Primeiro Ministro Naftali Bennett e pelo Primeiro Ministro Suplente e Ministro das Relações Exteriores Yair Lapid não conseguiu obter a maioria, na manhã desta segunda-feira, para aprovar a Lei da Cidadania.

Aprovada, temporariamente, no auge da Segunda Intifada em 2003, a lei impede que palestinos casados ​​com israelenses obtenham automaticamente a cidadania no Estado Judeu.

Introduzida como um decreto que expira anualmente, a lei foi prorrogada pelos últimos 18 anos, com os partidos de direita sempre votando a favor.

A nova coalizão de “mudança” inclui o partido de esquerda Meretz e o islâmico Ra’am, juntamente com os de direita Yamina, Nova Esperança e Israel Beyteinu. A lei foi derrotada por 17 a 14 no Comitê de Relações Exteriores e Defesa.

No final do dia, o Comitê discutirá a questão da unificação das famílias de israelenses casados com residentes de Gaza, Judeia e Samaria, e com cidadãos de países inimigos.

A lei, que visa impedir que palestinos ganhem status legal em Israel, deverá aprovada para votação no plenário da Knesset, onde uma mobilização de emergência da coalizão e da oposição deverá decidir a questão.

LEIA TAMBÉM
As famílias que afirmam ter sido prejudicadas pela lei devem se manifestar em frente à Knesset, informou o Canal 20. “Nem o ministro árabe-israelense do Partido Meretz, Issawi Frej nem a Lista Árabe Unida podem negociar por nossos direitos, ponto final”, disse um deles.

Na semana passada, o Meretz e o Ministro da Cooperação Regional, Isawi Frej, propuseram estender a lei por apenas seis meses em vez de um ano e convocar um comitê ministerial para encontrar uma solução para as questões humanitárias decorrentes da lei.

A oposição denunciou a coalizão por não aprovar a lei devido à presença do partido árabe Ra’am e do esquerdista Meretz no governo.

O líder do partido Sionismo Religioso , Betzalel Smotrich, disse que seu partido votaria contra a lei, citando o apoio do governo aos “partidos antissionistas e pós-sionistas”.

A ministra do Interior, Ayelet Shaked, que lidera as negociações dentro da coalizão, disse que ainda não havia maioria para aprovar lei, mas que “esperava e acreditava” que a maioria seria alcançada quando a lei fosse votada em o plenário segunda-feira à noite.

Na semana passada, Ayelet Shaked havia pedido à oposição que votasse a favor da emenda, ou pelo menos se abstivesse “se não quiserem naturalizar imediatamente 15.000 palestinos”.

Fontes: The Times of Israel e Arutz Sheva
Foto: Porta-voz da Knesset

One thought on “Lei da Cidadania será votada na Knesset

Fechado para comentários.