Comunidade judaica do Irã diz que está do lado do regime

A pequena comunidade judaica em Teerã condenou os protestos antirregime em andamento no Irã, que eclodiram após a morte de uma jovem detida por violar o estrito código de vestimenta da República Islâmica.

Em uma  carta, o Comitê Judaico Central de Teerã disse que apoiava o regime iraniano em meio à violenta repressão  aos manifestantes.

“Esta é uma condenação dos recentes distúrbios no país que levaram à morte e ferimentos de várias pessoas em nosso país, além de muitas perdas financeiras para o país”, diz a carta.

“A comunidade declara que sempre obedeceu à posição do líder supremo”, acrescentou.

Figuras proeminentes na comunidade judaica do Irã emitem intermitentemente declarações anti-Israel que combinam com a agenda do regime. O Irã jura abertamente a destruição de Israel e apoia financeiramente grupos terroristas, como o Hezbollah e o Hamas, que também estão comprometidos com esse objetivo.

Desde a morte de Mahsa Amini enquanto estava sob custódia da  polícia moral em Teerã, em setembro, os protestos se espalharam por todo o país. As autoridades responderam com uma repressão que o grupo Iran Human Rights, com sede em Oslo, diz ter deixado cerca de 400 pessoas mortas, meia dúzia condenadas à morte e mais de 15.000 presos.

LEIA TAMBÉM

“A comunidade declara que os inimigos do sistema estão criando insegurança ao visar a unidade do povo. Nos últimos dias, eventos infelizes e incidentes ocorreram em nosso amado país, o que feriu os corações daqueles leais ao Irã e ao sagrado sistema islâmico”, disse a carta.

“A comunidade pede a todos os membros do nosso querido país que evitem polarizar o país e discutam as coisas. Esperamos que num futuro próximo vejamos unidade, paz, segurança e felicidade em nosso amado país”, acrescentou.

Em setembro, durante as primeiras semanas dos protestos, o comitê emitiu uma carta alertando os membros para evitar ir a sinagogas durante a violência.

Antes da Revolução Islâmica, em 1979, havia cerca de 100.000 judeus no Irã. Em 2016, de acordo com um censo iraniano, esse número caiu para menos de 10.000.

A comunidade judaica no Irã já havia tomado outras medidas de precaução para proteger os membros, com o rabino-chefe do país dizendo no ano passado que condenou o assassinato do general iraniano Qassem Soleimani pelos EUA em 2020 em meio a temores de que os judeus pudessem ser atacados fisicamente por vizinhos muçulmanos.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Wikimedia Commons

One thought on “Comunidade judaica do Irã diz que está do lado do regime

Fechado para comentários.