EAU dizem aos palestinos que ainda apoiam sua causa

Os Emirados Árabes Unidos têm procurado tranquilizar os palestinos de que os laços crescentes com Israel não acontecem às custas de Ramallah e que Abu Dhabi ainda apoia o estabelecimento de um Estado palestino com Jerusalém Oriental como capital.

Falando na noite de segunda-feira a um grupo de palestinos que vivem nos Emirados Árabes Unidos, o ministro das Relações Exteriores, Sheikh Abdullah bin Zayed Al Nahyan, disse que a visita histórica de uma delegação israelense e o novo acordo de normalização não viriam às custas do apoio dos Emirados à causa palestina.

“A posição dos Emirados Árabes Unidos continuará a apoiar a posição árabe que pede o estabelecimento de um estado palestino independente com Jerusalém Oriental como sua capital. Continuaremos a apoiar a causa palestina com base em nossa posição histórica, que se origina de uma crença profundamente enraizada e inabalável que nunca mudará como resultado de quaisquer considerações”, disse bin Zayed em comentários publicados pela agência de notícias estatal WAM dos Emirados Árabes Unidos.

“Gostaria de assegurar a todo o público aqui que os Emirados Árabes Unidos veem a construção da paz como uma necessidade estratégica para a região. No entanto, essa necessidade estratégica não virá às custas de nosso apoio à causa palestina e aos direitos de nosso povo palestino fraterno ”, acrescentou ele, elogiando os palestinos locais pela criação do Clube de Amizade Emirados-Palestinos.

Suas declarações foram feitas no momento em que a liderança palestina condenou o primeiro voo direto israelense para Abu Dhabi, que trouxe autoridades americanas e israelenses aos Emirados Árabes Unidos para negociações, como uma traição.

Após as festividades do primeiro dia, os dois lados definiram o início das negociações detalhadas sobre os termos do acordo de normalização. Grupos de trabalho se reuniram para discutir questões diplomáticas, financeiras, de negócios, turismo, saúde e ciências.

Entre os detalhes a serem explorados estavam o momento de abertura das respectivas embaixadas, acordos de aviação, protocolos de vistos e estabelecimento de um acordo-quadro econômico-comercial entre os países, incluindo acordos de investimento e cooperação para lidar com a pandemia COVID-19.

As equipes também discutiram a cooperação regional de turismo, incluindo a Jordânia e o Egito, intercâmbios culturais e um diálogo inter-religioso, e acordos espaciais e científicos.

Destacando a atmosfera festiva, o Khaleej Times, em inglês, de Dubai, divulgou sua edição matinal de terça-feira com o título “Salam, Shalom”.

Nos primeiros sinais da mudança no relacionamento, o voo 971 da El Al transportou altos funcionários de Washington e Jerusalém para a capital dos Emirados na segunda-feira para concretizar o chamado Acordo de Abraham entre Israel e os Emirados Árabes Unidos, que foi intermediado pelos EUA e anunciado anteriormente este mês.

Em outro marco histórico, o voo da companhia aérea nacional de Israel recebeu permissão para sobrevoar a Arábia Saudita. A El Al pintou um logotipo da paz em árabe, inglês e hebraico em seu avião, que, como muitos aviões da El Al, também apresenta como seu apelido o nome de uma cidade ou vila israelense – neste caso Kiryat Gat, a cerca de uma hora de carro a sudoeste de Jerusalém.

O primeiro-ministro da Autoridade Palestina, Mohammad Shtayyeh, chamou o voo direto entre Israel e os Emirados Árabes Unidos de “uma ruptura clara e vergonhosa com a posição árabe” na normalização das relações com Israel.

“Era nossa esperança ver um avião dos Emirados pousar em uma Jerusalém libertada … Dói-nos ver um avião israelense pousar nos Emirados Árabes Unidos, um avião que leva o nome de ‘Kiryat Gat’, que foi construído na vila de al-Fallujah”, disse Shtayyeh.

“Vivemos em uma época árabe difícil”, concluiu Shtayyeh.

O oficial sênior da Organização para a Libertação da Palestina, Saeb Erekat, também condenou a delegação, que ele acusou de perpetuar o apartheid.

“A paz não é feita negando o direito da Palestina de existir e impondo um regime de apartheid. Apartheid é o que Netanyahu entende por ‘paz pela paz’”, disse Erekat, referindo-se à declaração do Primeiro Ministro Benjamin Netanyahu de que o acordo de normalização não trocava “terra pela paz” como há muito era a fórmula exigida para a paz com os estados árabes.

Um porta-voz do grupo terrorista Hamas, baseado em Gaza, condenou a delegação por servir “aos interesses sionistas” na criação de divisões na região.

“Esta visita é equivalente a esfaquear o povo palestino pelas costas, uma consagração da ocupação, uma traição da resistência do povo [palestino] e uma conspiração contra sua luta”, disse o grupo terrorista em um comunicado.

Oficiais palestinos do Hamas e da Autoridade Palestina ainda não comentaram sobre a decisão da Arábia Saudita de permitir que a delegação israelense-americana use seu espaço aéreo. O avião da delegação até fez uma volta em torno da capital saudita de Riade antes de cruzar a fronteira com os Emirados Árabes Unidos.

Fonte: Times of Israel

One thought on “EAU dizem aos palestinos que ainda apoiam sua causa

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *