Açaí, a nova arma para combater o coronavírus

O açaí têm sido considerado por muitos como uma super fruta com inúmeros benefícios à saúde, incluindo supostas propriedades antiinflamatórias, soluções para emagrecer e tratamentos antienvelhecimento. No entanto, são as propriedades antiinflamatórias que são mais relevantes, pois os estudos estão mostrando que o COVID-19 é capaz de desencadear respostas inflamatórias agudas que podem resultar em consequências graves para o coração e os pulmões.

Os pesquisadores da Universidade de Toronto acreditam que o extrato de açaí pode ser capaz de ajudar a combater essa inflamação. A Dra. Ana Andreazza, professora ade farmacologia e psiquiatria da Universidade, que estudou as propriedades antiinflamatórias do extrato de açaí como meio de ajudar a combater o transtorno de saúde mental, descobriu que a inflamação em pacientes com COVID-19 parecia ser mediada por NLRP3.

O NLRP3 é um sensor inflamatório e é usado para acionar a resposta antiestresse a infecções do corpo. A inflamação que pode desencadear também é exatamente o que Andreazza diz que o extrato de açaí pode ajudar a tratar.

Essa descoberta a motivou a fazer parceria com o Dr. Michael Farkouh, que é o principal pesquisador desses ensaios. “Se pudermos prevenir a hospitalização de pacientes e a deterioração dos pacientes no início do curso da infecção COVID-19, então isso poderia ter um efeito imenso”, disse Farkouh.

Outra vantagem é a localização. Metade dos indivíduos envolvidos no teste estão em Toronto, enquanto a outra metade está no Brasil, que tem o segundo maior número de infecções no mundo depois dos EUA. Isso é especialmente importante porque, embora os tratamentos de alto custo não sejam fáceis de obter no Brasil, o açaí é. Como tal, um tratamento de baixo custo que também é nativo do Brasil poderia fazer muito bem ao tenso sistema de saúde do país, Farkou disse ao CTV News.

“Esta é uma estratégia preventiva que acreditamos que terá impacto global”.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *