Em Israel, judias têm mais filhos que muçulmanas

A mudança demográfica em Israel, marcada por um aumento nas taxas de fecundidade entre judeus e uma diminuição entre muçulmanos, continuou no ano passado, com a taxa para mulheres judias atingindo seu máximo em 45 anos.

De acordo com dados do Bureau de Estatísticas de Israel, a taxa de fecundidade total para mulheres judias em Israel aumentou em 2018 para 3,17, o nível mais alto desde o início da década de 1970, quando a média atingiu 3,28. Por outro lado, o nível mais baixo ocorreu na década de 1990, com uma média de 2,62 entre 1990 e 1994 e de 1995 a 1999.

Esse aumento foi impulsionado principalmente por um aumento no número de mulheres em faixas etárias mais velhas que têm filhos, o que compensou uma diminuição entre as mulheres mais jovens.

As mulheres cristãs e drusas também viram um aumento em suas taxas totais de fecundidade, embora ambas permaneçam bem abaixo da taxa judaica. Entre as mulheres cristãs, incluindo árabes cristãs e imigrantes cristãs que se mudaram para Israel com parentes judeus, a taxa de fecundidade aumentou de 1,93 em 2017 para 2,06 em 2018. A taxa de fecundidade das drusas aumentou de 2,10 para 2,16.

As muçulmanas ainda tinham a maior taxa de fecundidade total em 2018, com 3,20, apesar da queda em relação aos 3,37 no ano anterior. No entanto, entre os árabes israelenses em geral, a taxa de fecundidade caiu em 2018 para 3,04, abaixo da média judaica de 3,17. Este é o nível mais baixo registrado entre as mulheres árabes muçulmanas em Israel, que há 50 anos tinham em média seis filhos a mais do que as mulheres judias.

Em números brutos, o número de filhos de mães judias aumentou em 2018 para 135.809, representando 73,7% do total de 184.370 nascidos vivos em Israel.

Em 2017, mães judias deram à luz 134.630 filhos, 73,3% do número total de nascidos vivos. Em 2010, os nascimentos de judeus representaram 72,6% do total, com 120.673 crianças nascidas. Em 2000, o nascimento de mulheres judias representou apenas 67,4% de todos os nascidos vivos em Israel, com 91.936 crianças nascidas de mães judias.

Em comparação, o número de nascimentos de mulheres árabes (muçulmanas, cristãs ou drusas) diminuiu em 2018 para 43.268, em comparação com 43.782 em 2017. Os nascimentos de mulheres árabes representaram 23,5% de todos os nascidos vivos em Israel em 2018, comparado a 23,8% em 2017, 24,5% em 2010 e 29,9% em 2000.

Segundo o demógrafo e ex-diplomata israelense Yoram Ettinger os números refutam o “mito de uma bomba-relógio demográfica árabe” em Israel.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *