Em Israel se tem mais bebês que em qualquer país desenvolvido

A taxa de fecundidade média de Israel é de 3,1 filhos por mulher, muito superior à de qualquer outro membro da Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE). O segundo país é o México, com apenas 2,15 filhos por mulher, quase um filho a menos por família.

Ao contrário das tendências ocidentais, em Israel, tanto mulheres com altos quanto baixos níveis educacionais têm o mesmo número de filhos, como também não variam se são mais ou menos religiosas.

De acordo com uma pesquisa recente do Taub Center for Social Policy Studies, um instituto de pesquisa socioeconômica independente e não-partidária baseado em Jerusalém, “a fecundidade em Israel não é apenas excepcional porque é alta. Também é excepcional porque os altos níveis de natalidade abrangem todas as classes educacionais e todos os níveis de religiosidade, e porque a fecundidade aumenta à medida que a idade em que as mulheres dão à luz e os níveis de educação aumentam, pelo menos na população judaica. De uma perspectiva internacional, esses são padrões extremamente incomuns”.

Por que os padrões de fecundidade de Israel são tão diferentes de outros países desenvolvidos? A composição demográfica atual de Israel é de aproximadamente 74% de judeus, 21% de árabes e 5% de “outros”. A população árabe é predominantemente muçulmana (cerca de 17%), e os cristãos árabes e drusos representam aproximadamente 2% da população. Da população judaica, aproximadamente 75% são judeus seculares ou tradicionais.

Entre os judeus ortodoxos, a taxa média de fecundidade manteve-se constante em cerca de sete crianças por família, e o tamanho médio das famílias é atualmente similar para os judeus ortodoxos e árabes. No entanto, recentemente, as taxas de fecundidade árabes caíram drasticamente acompanhando as tendências ocidentais.

Portanto, o aumento da fecundidade de Israel nas últimas duas décadas tem sido impulsionado em grande parte por mulheres judias não-ortodoxas, cuja taxa média é de 2,2 filhos por família. Isso já é maior do que em qualquer outro país da OCDE. Talvez, estranhamente, tenha aumentado apesar do fato de que as mulheres têm filhos mais tarde e trabalham mais. De fato, as mulheres judias não-ortodoxas têm taxas de emprego mais altas do que as mulheres em qualquer outro país da OCDE, exceto a Islândia.

Além disso, ao contrário de outros países ocidentais, as mulheres israelenses com alta escolaridade têm tantas crianças quanto aquelas com níveis mais baixos de educação institucional.

De acordo com o Centro Taub de Estudos de Política Social, em grande parte as razões por trás das tendências de fecundidade de Israel permanecem um mistério. Alguns fatores são a natureza cultural e religiosa da vida em Israel, e o fato de que as mulheres podem equilibrar trabalho e vida familiar com relativa facilidade, mas isso não explica por que Israel é tão diferente dos outros países da OCDE.

Fonte: InfoCatolica

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *