Empresas de ônibus iniciam greve por repasses

A linha de trem entre Tel Aviv e Jerusalém foi lançada, mas nos ônibus a crise piora. A “Egged Taavura” iniciou, hoje uma greve de quatro horas. A “Kavim” anunciou o cancelamento de seus serviços a partir de sexta-feira devido ao não pagamento de viagens realizadas em novembro.

A Kavim anunciou que pretende interromper seus serviços em todo o país devido à não transferência de repasses das viagens feitas até novembro. O gerente de serviços da empresa, Itay Pleasig, observou que, ao receber a mensagem de que o governo não transferiria o orçamento prometido para a empresa, foi feito um apelo a quem pudesse ajudar na transferência desses fundos, incluindo o primeiro ministro, ministros e funcionários relevantes do Ministério dos Transportes e Finanças.

“Infelizmente, no momento em que escrevemos esta carta, não anunciamos nenhuma possibilidade de que o Ministério dos Transportes pretenda pagar os custos da viagem. À luz do exposto, na situação específica de uma empresa de linhas e para reduzir danos, somos obrigados a notificá-lo da interrupção do transporte público em sua área”, escreveu ele aos chefes e autoridades de cidades nas quais a empresa opera.

É importante mencionar que, há alguns dias, as empresas privadas de transporte público ficaram surpresas ao descobrir que os pagamentos a que tinham direito não seriam feitos conforme necessário. “Interromper o pagamento mensal, pode subitamente diminuir o abastecimento que alimenta nossas operações”, escreveu o CEO da Kavim Eric Sinai em uma carta ao ministro dos Transportes na semana passada. “Se o suprimento de combustível não for renovado dentro de alguns dias, no máximo, o resultado para nós será desastre e irreversibilidade.” Ele acrescentou: “Vemos o governo como responsável por todos os danos diretos e indiretos em que incorremos e em decorrência da falta de pagamento em tempo hábil, e defenderemos nosso direito à compensação total”.

A ameaça de greve começou em 10 de outubro, momento em que o Contador Geral informou as empresas de que, devido ao déficit, cortaram 20% da taxa de subsídio para outubro, um montante de 60 milhões, para as empresas. Além disso, enfatizaram que nao ha fundos e que atualmente não há orçamento para financiar o pagamento até o final do ano.

Finalmente, decidiu-se transferir cerca de 320 milhões de NIS, dos quais 250 milhões eram para atualizar os salários dos motoristas e reduzir o horário semanal de trabalho. Isso ocorre devido a uma grave escassez de motoristas, o que não permite a extensão do serviço, conforme necessário. O restante do orçamento é para treinamento de motoristas, que também é projetado para resolver o problema de escassez. Mas no fim de semana passada, o Tesouro anunciou que não podia transferir as quantias.

 

Hoje de manhã: greve de 4 horas no “Egged Taavura”

Enquanto isso, a Egged Taavura paralisara suas linhas por quatro horas na quinta-feira de manhã, das 5:00 às 9:00. A decisão da greve foi tomada após uma audiência no Tribunal do Trabalho de Jerusalém.

O comitê de motoristas protesta a procrastinação por parte da administração da empresa nas negociações que duram oito meses e a recusa da administração em melhorar as condições de emprego. O comitê de trabalhadores também reclama da tentativa da administração de enfraquecer a organização dos trabalhadores – colocando um requisito “escandaloso”, reduzindo o número de delegados de dez para apenas três, um requisito que, alegam, é uma intervenção proibida em matéria de representação de funcionários.

Os anúncios da desaceleração chegaram em um dia importante para o transporte público, com o passeio festivo do ministro dos Transportes, Bezalel Smutrich e do ex-ministro de Transportes e Relações Exteriores Israel Katz na via expressa Jerusalém-Tel Aviv. A viagem foi realizada por ocasião da abertura da linha para passageiros no sábado à noite.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *