Defesa dos animais quer impedir ritual judaico

Um grupo de defesa dos direitos dos animais entrou com uma ação contra um centro judaico em Los Angeles para impedir que ele use frangos vivos em um ritual pré-Yom Kippur conhecido como Kaparot.

O processo contra o Woodland Hills Hebrew Discovery Center foi apresentado no início deste mês no Tribunal Superior de Los Angeles pela Liga de Proteção e Resgate de Animais e pede uma liminar para impedir a prática.

O centro realizou o ritual no ano passado em seu estacionamento. O processo alega que as galinhas foram mortas e descartadas sem usá-las como alimento, violando uma lei de direitos dos animais que proíbe maliciosamente e intencionalmente mutilar, torturar ou ferir animais, informou o Los Angeles Times.

Durante a cerimônia, um frango é balançado por suas pernas acima de uma pessoa e depois abatido. Ao realizar Kaparot, os pecados de uma pessoa são simbolicamente transferidos para o frango como parte do processo de arrependimento antes do Yom Kippur, o Dia da Expiação. A carne do frango deve então ser doada para caridade. Algumas pessoas realizam o ritual usando dinheiro no lugar de um frango.

Nos últimos anos, ações judiciais contra a prática foram registradas em Nova York e na Califórnia.

No início deste mês, o centro foi vandalizado, com tinta branca sendo espalhada por toda a frente do prédio. Reparar o dano custou cerca de US$ 10.000. Os vândalos também atingiram a sinagoga em 2016.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *