Sem greve, Israel volta às aulas amanhã

A ameaça de greve do sindicato dos professores terminou na manhã de quarta-feira, quando o Ministério das Finanças e o Ministério da Educação concordaram com um aumento salarial, como parte de um novo acordo, anunciaram os ministérios e o sindicato.

De acordo com um comunicado conjunto, os novos professores receberão um salário de NIS 9.000 (por mês, com bônus de até NIS 1.100. Após três anos de ensino, os professores receberão uma bolsa de NIS 10.000 para incentivá-los a permanecer na profissão. Os novos diretores receberão um salário inicial de NIS 19.000.

Os diretores das escolas poderão oferecer aos professores bônus de NIS 400 a NIS 1.000 por excelência e iniciativa. Além disso, os diretores poderão contratar professores especializados que trabalham fora do sistema educacional, por exemplo, especialistas em educação especial.

Além do cancelamento da greve, que permite o início do ano letivo nesta quinta-feira, a disputa trabalhista será retirada da Justiça. Um acordo mais detalhado será divulgado nos próximos dias.

Uma das principais lacunas pendentes entre os lados era a questão dos dias de férias, que o Ministério das Finanças desejava igualar aos dos pais que trabalham, que muitas vezes lutam para encontrar creches enquanto as escolas estão de férias.

De acordo com o comunicado, os lados concordaram que Isru Chag – o dia seguinte aos festivais de Pessach, Shavuot e Sucot – deixará de ser um dia de férias escolares, assim como Lag Ba’Omer e o Jejum de Ester.

LEIA TAMBÉM

Em troca, os professores terão folga entre Yom Kipur e Sucot, além de mais dois dias de férias para usar como quiserem.

O Ministério das Finanças anunciou que também pretende prolongar as atividades escolares de verão até 31 de julho e incluir a 4ª série no programa.

“O ano letivo começará amanhã com um sistema educacional mais forte e de maior qualidade”, disse o ministro das Finanças, Avigdor Liberman. “Depois de muitos meses de idas e vindas, conseguimos trazer mudanças profundas inéditas no sistema educacional israelense”.

A ministra da Educação, Yifat Shasha-Biton, disse que o acordo “garante estabilidade nos próximos anos”.

“Um sistema educacional forte e estável com professores de qualidade é do interesse de todos para o futuro de nossos filhos”, acrescentou.

O primeiro-ministro, Yair Lapid, parabenizou Liberman, a ministra da Educação, Shasha-Biton, e Yaffa Ben David, secretária-geral do Sindicato dos Professores de Israel por seus esforços e elogiou o “bom acordo que fortalecerá o status dos professores em Israel e melhorará o nível de educação que as crianças israelenses recebem”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Canva

One thought on “Sem greve, Israel volta às aulas amanhã

Fechado para comentários.