Horowitz quer antecipar reforma de turnos médicos

O gabinete deve ser convocado para discutir maneiras de antecipar a reforma para reduzir os turnos de médicos internos e residentes, escreveu Nitzan Horowitz em uma carta ao primeiro-ministro, Yair Lapid, e ao ministro das Finanças, Avigdor Liberman, na quinta-feira.

Em um protesto nacional no ano passado, os médicos israelenses saíram às ruas para protestar contra suas condições de trabalho em uma demanda para reduzir seus turnos de 26 horas.

Um plano para reduzir os turnos para 18 horas foi acordado pelo Ministério da Saúde e pelos médicos, depois que mais de 2.500 médicos residentes, estagiários e estudantes se demitiram temporariamente.

O plano deveria entrar em vigor meses atrás em 10 hospitais na periferia do país.

“Não é tarde demais para consertar isso”, implorou Horowitz, “devemos responder à situação dos residente o mais rápido possível”.

Na semana passada, mais de 500 internos e residentes médicos israelenses se demitiram devido ao atraso na reforma. Em uma coletiva de imprensa realizada na manhã de quinta-feira, representantes da Mirsham, a organização de residentes médicos, disseram que o governo está “levando Israel à maior crise médica de sua história”.

Em sua carta, Horowitz acusou o departamento de orçamento do Ministério das Finanças de não levar em conta a reforma, alegando que o orçamento do plano não foi transferido para seu ministério.

LEIA TAMBÉM

“Apesar de um acordo explícito entre os ministros da saúde, finanças e economia, o departamento de orçamento rejeitou o plano e não transferiu o orçamento prometido”, escreveu o Horowitz.

“Para evitar outro atraso na implementação da reforma, devemos começar os preparativos imediatamente”, afirmou Horowitz. “Aumentar a mão de obra nos hospitais é o primeiro passo necessário. Espera-se que o governo cumpra os seus compromissos”, acrescentou o ministro da Saúde.

Além da falta de movimento com a reforma médica, Horowitz também expressou frustração com o Ministério das Finanças sobre um plano para cortar os orçamentos de todos os ministérios do governo para financiar o acordo com o Sindicato dos Professores sobre aumento de salários para os educadores israelenses.

Em um tweet após o anúncio do acordo na quarta-feira, o ministro da Saúde lamentou o plano anunciado por Liberman de cortes orçamentários, dizendo que implementar tais cortes seria “corrigir um erro com outro erro”.

“Cortes orçamentários em geral significam um duro golpe para nossos serviços de saúde e bem-estar”, escreveu Horowitz. “É absurdo propor tal corte quando o Ministério das Finanças acumulou superávits sem precedentes, na casa das dezenas de bilhões”.

“Para que eles estão guardando o dinheiro?” perguntou Horowitz. “Vamos nos opor fortemente a este plano”.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: Kobi Gideon / Government Press Office (Israel)CC BY-SA 3.0, (Wikimedia Commons)