Navio turco atraca em Haifa depois de uma década

Um navio de guerra turco atracou no porto de Haifa pela primeira vez em mais de uma década, participando de uma patrulha da OTAN na região.

O TCG Kemalreis (F-247), uma fragata da classe Barbaros, atracou em Haifa junto com o USS Forrest Sherman, um destroier de mísseis guiados pelos americanos.

“A atracação faz parte da cooperação e apoio de Israel à OTAN”, disse um porta-voz das FDI em comunicado.

O TCG Kemalreis, um dos navios mais avançados da Marinha turca, é o primeiro navio de guerra a atracar em Israel desde 2010, quando a Turquia rompeu relações com Israel após o incidente de Mavi Marama que causou uma crise diplomática sem precedentes entre os ex-aliados.

Turquia e Israel foram, durante anos, aliados próximos na indústria de defesa, cooperação em segurança, compartilhamento de inteligência e treinamento militar. A relação começou na década de 1960 e atingiu o pico na década de 1990 com o Acordo de Cooperação de Defesa de 1994 e o Acordo de Cooperação de Treinamento Militar de 1996.

Com esses dois acordos, os laços de segurança militar tornaram-se um dos mais próximos no Oriente Médio, com Israel até, se os relatórios estrangeiros forem precisos, fornecendo inteligência à Turquia em sua luta contínua contra o Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK) e Ancara cooperando com Israel sobre o Irã, fornecendo informações.

Além disso, a Turquia costumava ser um dos principais clientes de armas de Israel, com empresas israelenses atualizando tanques M60 turcos e aviões F-4E e fornecendo à Turquia drones armados Heron, sistemas eletrônicos de reconhecimento e vigilância e sistemas avançados de mísseis e munição inteligente. Os dois países também costumavam participar de exercícios conjuntos anuais da marinha e da força aérea.

LEIA TAMBÉM

Após o rebaixamento dos laços, Jerusalém se voltou para os adversários da Turquia, a Grécia e os cipriotas gregos, para exercícios militares de forças aéreas, marítimas e terrestres. Um desses exercícios ocorreu em meados de julho entre a Força Aérea Israelense e a Força Aérea Helênica, onde os pilotos praticaram reabastecimento aéreo e lutas de cães.

Após a crise de Mavi Marmara em 2010, a Turquia congelou todos os projetos da indústria de defesa e cooperação militar com Jerusalém. Após o rompimento dos laços, a Turquia também envidou esforços para isolar Jerusalém da cooperação militar com a OTAN. Após um acordo de reconciliação de 2016, Ancara retirou seu veto contra Israel, que foi aceito como nação parceira da organização (não membro).

Seis anos depois de romper relações com Israel, após o incidente de 2010, os dois países normalizaram os laços e enviaram embaixadores às respectivas capitais, mas os laços mais uma vez esfriaram depois que os Estados Unidos mudaram sua embaixada para Jerusalém, em 2018.

No mês passado, Israel e a Turquia concordaram mais uma vez em restabelecer laços diplomáticos completos, mas Israel não planeja, ainda, reiniciar a cooperação militar com a Turquia e não estão programados exercícios ou reuniões entre a tripulação turca e a Marinha israelense.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto (ilustrativa) PxHere