Israel derruba proposta da AP no fórum asiático

Israel derrubou uma proposta da Autoridade Palestina para incluir um item sobre o conflito entre eles na declaração de Astana, emitida na quinta-feira, na sexta cúpula do importante fórum regional asiático no Cazaquistão, de acordo com a vice-diretora-geral do Ministério do Exterior, Simona Halperin.

Ela creditou a conquista diplomática de Israel à “gestão hábil das negociações pelo presidente cazaque no processo para produzir um documento consensual” para lançamento na cúpula de dois dias da Conferência sobre Interação e Medidas de Fortalecimento da Confiança na Ásia (CICA) em Astana, que tem ocorrido a cada quatro anos, desde 2002.

O fórum, que tem agora 27 estados membros, incluindo a AP, coloca Israel na mesma mesa com países com os quais não tem relações, como Irã e Paquistão. Rússia, Turquia e China também são membros.

As últimas três declarações da cúpula abordaram questões regionais e incluíram tópicos tanto sobre o conflito – com a quinta cúpula defendendo dois estados nas linhas anteriores a 1967 – quanto pela preservação do status quo nos locais sagrados de Jerusalém.

Este ano, a CICA produziu um documento neutro que evitou os conflitos regionais, inclusive entre Israel e os palestinos, e teve o consenso de todo o fórum.

As questões que carecem de consenso foram incluídas em um documento separado explicando que essas questões foram levantadas, mas não houve consenso.

LEIA TAMBÉM

A Autoridade Palestina, juntamente com países como Bahrein, Bangladesh, Egito, Irã, Iraque, Jordânia, Paquistão, Catar, Turquia e Emirados Árabes Unidos, defendeu, novamente, nesse documento dois estados nas linhas pré-1967, uma proposta que Israel tem consistentemente rejeitado. Eles disseram que “mantiveram-se firmes” contra quaisquer medidas unilaterais para mudar o status quo “da cidade santa de Jerusalém”.

Houve também um apelo de vários países para uma zona livre de armas nucleares no Oriente Médio. Este é um item dirigido a Israel, que se presume ter armas nucleares, embora nunca tenha se declarado um estado nuclear.

O que é crítico aqui, disse Halperin, é que esses tópicos foram excluídos do documento de consenso geral. As negociações para um texto neutro levaram meses e foram lideradas pelo enviado especial de Israel para a CICA, Dan Shaham.

O presidente da Autoridade Palestina Mahmoud Abbas , que falou no fórum, fez um discurso duro contra Israel e ameaçou cortar os laços da AP com o Estado judeu, de acordo a agência de notícias palestina WAFA.

Em seu discurso público no fórum, Halperin disse que houve “tentativas e manobras de alguns estados membros para importar questões políticas controversas com um objetivo claro de destacar Israel”.

“Nós e outros Estados membros expressamos nossa clara oposição a essas tentativas e continuaremos a fazê-lo. Pedimos a todos os Estados membros que respeitem o bom espírito da CICA e evitem uma politização discriminatória e tendenciosa deste importante fórum”.

“A CICA foi criada para promover a cooperação e a construção de confiança, para maior segurança e estabilidade”, disse Halperin.

Mais tarde, ela disse ao The Jerusalem Post que esse tipo de cooperação e civilidade define a CICA.

“Há países lá, que apesar dos conflitos entre eles – como Paquistão e Índia – uma vez que os representantes se sentam à mesa, o foco é encontrar o que une o fórum e não o que o divide”.

“Israel está muito bem representado neste fórum porque contribuímos profissionalmente em todas as discussões.

“As posições e contribuições israelenses são respeitadas e até apreciadas. Quando fazemos uma contribuição, fazemos isso com base na experiência”, disse ela.

Fonte: The Jerusalem Post
Foto: CICA