Israel: primeiro lugar em Empreendedorismo

Israel ficou em 20º lugar em 141 economias no Relatório Global de Competitividade 2019-2020 do Fórum Econômico Mundial, publicado na semana passada, mantendo sua posição no ano passado e assegurando mais uma vez o primeiro lugar em empreendedorismo e adoção de ideias transformadoras.

Israel também ficou em primeiro lugar em categorias como estabilidade macroeconômica, que minimiza a vulnerabilidade de sua economia nacional ao impacto de qualquer choque externo, crescimento inovador dos negócios, gastos em P&D e a colaboração entre várias partes interessadas.

O Relatório sobre Competitividade Mundial, publicado pela primeira vez em 2004, classifica a competitividade de uma economia com base em 12 pilares (categorias), entre os quais capacidade de inovação, dinamismo dos negócios, tamanho do mercado, saúde, habilidades, estabilidade macroeconômica, instituições e infraestrutura e 103 indicadores (subcategorias).

Segundo o índice, a economia mais competitiva do mundo em 2019 é Cingapura, com uma pontuação de 84,8 em 100. Superou os Estados Unidos, que caíram para o segundo lugar com uma pontuação de 83,7. Hong Kong ficou em terceiro (83,1), subindo quatro posições em relação ao relatório do ano passado, a Holanda em quarto lugar, subindo duas posições com uma pontuação de 82,4, e a Suíça caiu uma posição, completando os cinco primeiros deste ano.

Israel recebeu uma pontuação total de 76,7. O Brasil recebeu uma pontuação de 60,9 ficou em 71º lugar

Segundo o índice, a pontuação média das 141 economias foi de 61 pontos. “Isso é quase 40 pontos a menos que a ‘fronteira’ [100 pontos]”, escreveram os autores. “Esta é uma lacuna de competitividade global que é particularmente preocupante, dado que a economia mundial enfrenta a perspectiva de uma recessão”.

O principal consultor econômico do Hapoalim Bank, professor Leo Leiderman, disse ao jornal financeiro israelense Globes que a classificação de Israel neste ano foi uma decepção que “representa um desafio”.

“Há muito o que fazer para melhorar a competitividade da economia israelense nos próximos anos. Por um lado, Israel é altamente valorizado em áreas como empreendedorismo, investimento em P&D, busca de novas inovações, disponibilidade de capital de risco e dinamismo dos negócios. Por outro lado, somos descritos como muito baixos em regulamentação onerosa, visão de longo prazo na política governamental, eficácia do sistema ferroviário, burocracia e competitividade no mercado interno do produto ”.

Segundo o relatório do WEF, Israel é um centro de inovação, que ocupa o 15º lugar no pilar de capacidade de inovação, graças a um ecossistema bem desenvolvido. “Israel é o país que mais investe em P&D (4,3% do PIB), e é onde a cultura empresarial é mais forte, onde as falências são mais aceitas, onde as empresas mais aceitam mudanças e onde empresas inovadoras crescem mais rápido ”, afirma o relatório.

A reputação de Israel como potência inovadora é tão merecida que um relatório publicado no início deste ano pela Start-Up Nation Central (SNC) e pela PwC Israel (PricewaterhouseCoopers Advisory Ltd) mostrou que cerca de 77% das multinacionais pesquisadas disseram que eles se estabeleceram em Israel “para tirar proveito dessa abertura, bem como para se beneficiar de outros fatores, como a mentalidade de Israel de questionar processos, decisões e noções conhecidas, e sua abordagem positiva para assumir riscos e fracassos”. Os dados foram coletados em mais de 90 multinacionais e foram baseados em entrevistas com 73 executivos e líderes de inovação de 22 países.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *