Libanês doa objetos nazistas a fundação judaica

Um empresário libanês que vive na Suíça decidiu doar ao Museu do Holocausto Yad Vashem uma cartola e outros objetos pertencentes a Adolf Hitler comprados em um controverso leilão em Munique (sul da Alemanha). Abdullah Chatila, que se tornou milionário graças ao comércio de diamantes e investimentos imobiliários em Genebra, disse que quis comprar esses itens para que não fossem usados para fins de propaganda neonazista.

No leilão organizado pela casa alemã Hermann Historica, o empresário pagou cerca de 545.000 euros para adquirir 10 lotes, incluindo uma cartola de Hitler, sua caixa de charutos, sua máquina de escrever e uma edição de luxo de seu livro “Mein Kampf” com uma águia e uma suástica, que pertenceu ao líder nazista Hermann Goering.

“O populismo de direita e o antissemitismo estão avançando em toda a Europa e no mundo. Eu não queria que esses objetos caíssem em mãos erradas e fossem usados por pessoas com intenções desonestas”, disse Chatila.

No último domingo o empresário Abdullah Chatila foi recebido na residência do presidente de Israel Reuven Rivlin em Jerusalém. O presidente mundial da Keren Hayesod Sam Grundwerg e o presidente da Yad Vashem Avner Shalev também participaram do evento.

O presidente agradeceu ao empresário por seu ato importante e pelo pensamento significativo que estava por trás dele, dizendo “sua doação é de grande importância neste momento, quando as pessoas estão tentando negar a verdade histórica. Esses artefatos, que você generosamente está disponibilizando para Yad Vashem, ajudarão a transmitir o legado do Holocausto para a próxima geração que não encontrará sobreviventes.”

Abdullah Chatila disse ao presidente: “Senhor Presidente, é uma grande honra estar aqui. Quando li sobre os artefatos à venda, imediatamente pensei em comprá-los e destruí-los. Então pensei que não tinha o direito de decidir o que fazer com os itens e estou tão feliz que eles estejam agora no Yad Vashem. Sinto um arrepio ao entender o quanto isso é importante para o povo judeu, mas acho que há uma mensagem mais ampla para o mundo inteiro, que ‘nunca mais’ não é um slogan sem sentido. Através de atos como esse, podemos garantir que essas coisas nunca mais aconteçam. ”

O presidente da Yad Vashem, Avner Shalev, agradeceu Chatila pelo ato, dizendo. “O que você fez como um ato espontâneo garante que esses artefatos não acabem nas mãos erradas. Você os levou ao lugar onde a história é contada e onde a próxima geração é educada. Muito obrigado.”

Sam Grundwerg, Presidente Mundial da Keren Hayesod: “O que você fez com esta ação foi pegar um capítulo muito sombrio da história judaica e da história da humanidade, e esclarecer isso através do avanço da tolerância e da esperança. Você lembrou à humanidade que há boas e pessoas decentes no mundo que buscam tolerância e justiça “.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *