IsraelNotícias

Mulheres protestam contra discriminação

Uma marcha de mulheres está marcada para Bnei Brak, dia 24 de agosto, às 20:30h, em protesto contra a discriminação e exclusão de mulheres em Israel, após eventos recentes nos quais as mulheres foram impedidas de utilizar vários espaços públicos em todo o país.

“Eles querem nos jogar no banco de trás do ônibus, exigem que nossas filhas se cubram, demitiram todas as mulheres que foram CEOs de escritórios do governo, querem apenas que sejamos mães ansiosas de soldados em serviço”, diz a declaração do movimento de mulheres sobre a marcha.

“Não vamos concordar, nossos filhos não valem menos! Eles querem levar as mulheres de volta ao passado. Quem pensa que vamos deixá-los humilhar mulheres e meninas, quem pensa que eles vão conseguir excluir as mulheres da esfera pública e dos cargos de influência, não só está errado como vai nos receber nas ruas”.

Entre os movimentos que apoiam a marcha estão Kaplan Force, High Tech Protest, Building an Alternative, The Pink Front, The Black Robes e muito mais.

No domingo, um grupo de adolescentes que tentava entrar em um ônibus em Ashdod foi instruído pelo motorista a se cobrir porque usava roupas que mostravam seus braços e pernas. As meninas foram obrigadas a se sentar no fundo do ônibus.

“Ficamos em choque”, disseram as meninas após o incidente. “Todo mundo desviou o olhar de nós para o chão. Havia apenas pessoas haredi no ônibus e eles não reagiram. Sentimo-nos impotentes e humilhadas. Tentamos falar com o motorista, mas ele disse que estávamos nuas e que não entendíamos nada. Estávamos com medo, então não dissemos nada”.

LEIA TAMBÉM

Imagens compartilhadas do incidente mostraram que o motorista também não permitiu que dois meninos que estavam com as meninas sentassem com elas, obrigando-os a sentar na frente. Quando perguntado por que estava se comportando dessa maneira, o motorista respondeu que dirige para passageiros haredi e que as meninas devem respeitá-los.

Este não foi um incidente isolado, informou a mídia israelense. No domingo, também em Ashdod, uma mulher que tentava embarcar em um ônibus da linha 86 da Elektra-Afikim foi informada de que era uma linha “só para homens”, segundo a TV Kan. Em maio, uma mulher que tentava embarcar no ônibus da linha 80 da empresa ouviu a mesma coisa.

Enquanto isso, de acordo com a TV Kan, uma mulher e seu marido embarcaram em um ônibus da empresa Dan em Ramat Gan e, quando a mulher tentou fazer uma pergunta ao motorista, ele a ignorou. Depois de várias tentativas, o marido perguntou ao motorista por que ele não estava respondendo e ele respondeu que não “conversa com mulheres”.

No início desta semana, o primeiro-ministro Benjamin Netanyahu condenou vários incidentes em que as mulheres foram impedidas de entrar em ônibus ou forçadas a sentar-se em locais específicos, afirmando que “o Estado de Israel é um país livre, onde ninguém pode limitar quem entra no transporte público e ninguém pode ditar onde ela ou ele se sentam. Quem faz isso está infringindo a lei e deve ser punido por isso”.

A ministra dos Transportes, Miri Regev, afirmou em resposta a esses incidentes que “não haverá exclusão de mulheres no transporte público. Cada incidente, na minha opinião, é algo que deve ser tratado com a maior seriedade!”.

“Milhões de passageiros usam transporte público todos os dias e, para mim, não deveria acontecer um único caso como este. Nos casos publicados nos últimos dias, os motoristas foram imediatamente suspensos de suas funções até o final da investigação”.

Foto: Revista Bras.il a partir de The Jerusalem Post
Foto: Canva

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *