Multa automática para viajante que não fizer teste

O primeiro-ministro Naftali Bennett apoiou uma extensão dos novos requisitos de quarentena para israelenses vacinados que chegam do exterior, concordando em exigir multas de milhares de shekels cobradas de viajantes que não cumpram as novas regras.

Em meio a preocupações com a variante do coronavírus Omicron, o governo ordenou esta semana que israelenses imunizados que viessem do exterior fossem colocados em quarentena por pelo menos três dias e, em seguida, fizessem um segundo teste COVID-19, além de um teste na chegada. Os israelenses não listados como imunizados devem passar pelo menos sete dias em quarentena antes de fazer um teste para sair do isolamento. Apenas aqueles com resultados negativos podem sair da quarentena.

Em meio a relatos de cumprimento irregular, as autoridades concordaram, nesta quinta-feira, em colocar regras mais rígidas, cobrando multas de NIS 2.500 (US $ 790) aos israelenses que não fizerem o teste no terceiro ou sétimo dia de quarentena, disse o gabinete de Bennett.

O comunicado disse que o Ministério da Saúde e a Polícia de Israel irão “sincronizar seus sistemas de informação” para permitir que as multas sejam emitidas “automaticamente”, embora não esteja claro quanto tempo levaria para implementar o sistema de verificação cruzada de dados.

O comunicado também indicou que Bennett e outros participantes da reunião buscarão estender as novas regras de quarentena, que atualmente expiram em 7 de dezembro.

“A decisão entrará em vigor em algumas semanas com a conclusão dos preparativos técnicos para sua implementação”, disse o gabinete do primeiro-ministro.

Antes da reunião, um comunicado informou que Bennett e as autoridades de saúde discutiriam a flexibilização das restrições às viagens, incluindo a possibilidade de eliminar as regras de quarentena mais longas para os vacinados. Israel também fechou suas fronteiras para estrangeiros em uma tentativa de evitar a propagação da Omicron.

Não ficou claro quantos ministros apoiariam as multas anunciadas pelo gabinete de Bennett. O ministro da Educação, Yifat Shasha-Biton, pediu no início do dia o fim das regras de quarentena mais rígidas para os vacinados, em meio a indicações de que a imunização protege contra a variante.

O Gabinete do Primeiro Ministro também disse na quinta-feira que as autoridades concordaram em conduzir o programa de “comunidade vacinada”, que incluiria uma campanha de mensagens para encorajar a vacinação entre as crianças e o envio de unidades móveis de vacinação para escolas e centros comunitários.

O comunicado do gabinete de Bennett disse que o programa começaria em vários conselhos regionais na próxima semana, sem dar detalhes.

Israel até agora confirmou três casos de Omicron e está examinando algumas dezenas de infecções suspeitas de serem causadas pela cepa mutante do coronavírus, que a Organização Mundial da Saúde classificou como uma “variante preocupante” após sua detecção inicial na África do Sul no mês passado.

Na quinta-feira, Bennett e Horowitz anunciaram que o governo não iria estender um programa de vigilância polêmico através do rastreamento de telefone de pessoas que tiveram contato com portadores do vírus.

A mudança ocorreu após intensas críticas públicas ao uso de tecnologia invasiva como parte dos esforços de rastreamento de contatos.

Fonte: Times of Israel
Foto: Canva