BlogsDeborah Srour

O delicado relacionamento judaico-cristão

Por Deborah Srour Politis

No domingo passado tivemos um incidente muito desagradável em Jerusalém. E as manchetes na internet e mídias sociais não esperaram por uma explicação: “Cristãos perseguidos por judeus ortodoxos em Jerusalém!”, “Judeus ortodoxos cuspiram em fiéis cristãos perto do Monte do Templo!”, “Violência contra cristãos. A verdadeira face de Israel”.

Estas são apenas algumas das postagens que viralizaram no último domingo, acompanhadas por imagens de judeus ortodoxos protestando contra um evento cristão realizado nas escadarias sul do Monte do Templo em Jerusalém, um local arqueológico aberto à visitação do público.

O evento cristão, titulado Pentecostes 2023: Dia Global de Oração por Jerusalém e pelas Nações, atraiu cristãos de uma ampla variedade de ministérios e organizações. De acordo com o site da organização, o objetivo principal do evento era alcançar 100 milhões de pessoas para orar, elogiar e exaltar Jesus sobre as nações, a oração por Israel, a paz de Jerusalém e lançar uma década de evangelismo. Neste ponto, a organização dá um outro link que mostra como evangelizar e difundir o evangelho.

Israel é um dos países mais tolerantes do mundo quando se trata de liberdade de culto. E sem dúvida é o único que dá esta liberdade na região. Mas o fato é que mesmo sentindo-se em “casa” com toda esta liberdade, não-judeus não podem simplesmente fazer o que querem. Eles não podem esquecer que são apenas convidados no país.

Quando 300 pessoas tomam as escadarias de um site arqueológico e começam a cantar, a orar, isso provoca preocupações de segurança, pois também havia turistas que compraram entrada para visitar o local. Assim, a polícia decidiu fechar o site para os não-participantes do evento cristão e sumariamente removeu os turistas.

Em torno de 40 manifestantes judeus, liderados pelo proeminente líder religioso sionista, rabino Zvi Tau, e pelo vice-prefeito de Jerusalém, Aryeh King, se mantiveram na porta de fora para expressarem seu desgosto para com estes que vieram para fazer proselitismo aos judeus em Israel.

Mas a mídia não contou o que realmente aconteceu, dando a entender que os manifestantes atacaram os cristãos. Em nenhum momento os manifestantes interagiram ou mesmo se aproximaram do grupo cristão. A balbúrdia se deu entre os manifestantes e a polícia.

Mas para os cristãos de todo o mundo, o comportamento dos manifestantes foi uma evidência do ódio judaico ao cristianismo e da intolerância à liberdade de culto dos cristãos em Jerusalém. Para os judeus que apoiam os manifestantes, a ameaça da atividade missionária cristã visando ativamente os judeus justifica a indignação exibida pelos manifestantes.

Vamos ser bem claros. Toda e qualquer tentativa de converter judeus ao cristianismo (ou a qualquer outra religião) é inaceitável se quisermos uma melhora no relacionamento judaico-cristão. A cessação destas atividades é uma pré-condição para o diálogo e a cooperação. Ainda mais em Israel.

A maioria dos cristãos ignora a história do antissemitismo cristão e não consegue entender a reação de suspeita da maioria na comunidade judaica. Uma suspeita que não é sem fundamento.

Logo no começo da Igreja, no primeiro milênio da era cristã, os líderes da hierarquia católica europeia desenvolveram ou solidificaram a doutrina de que todos os judeus (não os romanos) tinham sido os responsáveis pela crucificação de Jesus; e que a destruição do Templo pelos romanos e a dispersão do povo judeu foi uma punição pela contínua negação em abandonar sua fé e aceitar o cristianismo. Os cristãos impuseram medidas antijudaicas cada vez maiores nos séculos seguintes, incluindo atos de ostracismo, humilhação, expropriação, violência e assassinato.

Nos séculos X e XI, essas doutrinas contra os judeus foram endurecidas e expressas pelo zelo militar-espiritual das Cruzadas que em sua jornada de ida e volta a Jerusalém, massacravam as comunidades judaicas por onde passavam.

No século XII a Igreja criou o Tribunal do Santo Ofício, a Inquisição, através do qual ela perseguiu judeus e conversos à força, para que não voltassem ao judaísmo, seguindo as famílias durante séculos. Para tanto, a Igreja chegou até a elaborar um manual para os inquisidores, que detalhava as técnicas de interrogatório, os instrumentos a serem usados e as torturas a serem ministradas a suspeitos para que “confessassem” seus atos “judaizantes”. Os judeus foram perseguidos, torturados, expulsos, expropriados, tiveram seus filhos sequestrados, foram acusados de todas as barbaridades, de envenenar poços de água, a trazerem a peste negra, e como não, a usarem o sangue de crianças cristãs para fazerem a matzah na Páscoa. Durante séculos e em todos os lugares. Não é de se espantar que os judeus mantenham sua desconfiança.

Os cristãos precisam entender que a base essencial de reconhecimento e demonstração de respeito para com o judaísmo é precisamente a rejeição de qualquer esforço para converter judeus ao cristianismo. Tentar afastar os judeus da fé judaica e aproximá-los do cristianismo é atacar o povo judeu e o judaísmo de Israel.

Graças a Deus, a maioria das principais organizações cristãs sionistas se opõe abertamente à atividade missionária dirigida aos judeus. Na verdade, os líderes dessas organizações são frequentemente criticados no mundo cristão por se absterem do proselitismo. Essas organizações cristãs sionistas estiveram notavelmente ausentes do evento de domingo.

Em seu site, o evento Pentecostes 2023 lista vários ministérios proeminentes entre seus organizadores e parceiros que apoiam a pregação do cristianismo aos judeus em Israel. Embora grande parte do conteúdo do evento fosse oração, em vários discursos, bem como em materiais promocionais do evento, o objetivo de fazer o povo judeu aceitar Jesus estava explícito.

Isso mostra o estado delicado da relação judaico-cristã e o dano que resulta da falta de tato, respeito e sinceramente, de educação. Como disse o vice-prefeito de Jerusalém Aryeh King, imaginem se um grupo de 300 judeus ortodoxos se instalassem na praça de São Pedro em frente ao Vaticano para convencer cristãos a deixarem sua religião. Não dá para imaginar. Imediatamente a guarda suíça iria removê-los de lá. Nem falamos sobre Meca onde não-muçulmanos não podem nem entrar na cidade.

A responsabilidade pela percepção negativa de Israel em geral e dos judeus observadores da Torá em particular, resultante do protesto de domingo, recai diretamente sobre a mídia que exacerbou o que ocorreu com o protesto. Ela usou as imagens desses manifestantes como prova de que Israel restringe os direitos de todas as religiões de cultuar livremente. O que é patentemente falso.

Um número crescente de cristãos evangélicos está aprendendo a ter um relacionamento respeitoso com os judeus e Israel, sem agenda de conversão. Assim, enquanto repudiamos e nos distanciamos daqueles que tentam minar o judaísmo com seu trabalho missionário, devemos abraçar e encorajar aqueles que são verdadeiramente nossos amigos.

Aos meus amigos cristãos, digo que estudem a história das doutrinas e comportamentos cristãos antijudaicos, sejam sensíveis à identidade judaica e, acima de tudo, para que o relacionamento entre as religiões continue a crescer e prosperar, respeitem nossa fé e nossa aliança com o Deus de nossos pais sem tentar mudar quem somos. Caso contrário, essa amizade não é amizade.

Foto (ilustrativa): Kobi Gideon / Government Press Office, CC BY-SA 3.0 (Wikimedia Commons)

4 thoughts on “O delicado relacionamento judaico-cristão

  • É uma falácia acreditar em “cristianismo Sionista”, pois o novo testamento está repleto de antissemitismo! Tanto o velho quanto o novo testamento falsificaram, deturparam e distorceram a Bíblia Hebraica, e judeus ignorantes acabam se convertendo pelos missionários que estão aqui circulando aos milhares dentro de Israel.

    Resposta
  • RAFAEL BARBOSA TEIXEIRA

    O Brit Hadasha não tem antissemitismo. O novo testamento são livros escrito por judeus. Agora o catolicismo, que não é cristianismo, é que sempre foi antissemita.

    Resposta
  • Valéria

    Boa tarde.
    Sou cristã, mas tb sou estudiosa do Jesus histórico.
    Tenho muito respeito pelo Judaísmo e sou pró estado de Israel, mas sempre lembrando q , pela nossa crença, os judeus são o povo escolhido e como Jesus já disse: a quem muito é dado, muito é cobrado.
    Jesus nasceu, viveu e morreu judeu. Um judeu q buscou o retorno ao judaísmo espiritualizado: o judaísmo de Abraão, o pai da fé; de Moisés, dos profetas. Morreu por discordar do rumo legalista.
    Seu povo – judeu como Ele – se dispersou após 70 e esse povo ouviu no continente europeu esse mesmo discurso q esses cristãos ouviram.

    Resposta
  • Joseph

    Excelente artigo como de costume, parabéns Deborah por sua liguagem clara,objetiva e baseada em fatos verdadeiros. Um prazer e um orgulho de ler suas matérias atuais.

    Resposta

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Pular para o conteúdo