Passaporte verde ampliado e vacina para 45 anos

O primeiro-ministro Naftali Bennett concordou, na terça-feira, com as propostas do Ministério da Saúde sobre uma expansão das restrições do COVID-19, em um esforço para conter o aumento do número de casos de coronavírus causados ​​pela variante Delta.

Entre os participantes da reunião estavam o ministro da Saúde, Nitzan Horowitz, os diretores do Gabinete do Primeiro Ministro e do Ministério da Saúde, a chefe dos serviços de saúde pública Sharon Alroy-Preis e outros profissionais dos ministérios da saúde e finanças.

Os lados concordaram em recomendar que o Passaporte Verde se aplique à maioria dos eventos e atividades de lazer, o que significa que os israelenses terão que mostrar provas de que estão vacinados, se recuperaram do COVID-19 ou testaram negativo para o vírus nas últimas 72 horas, a fim de entrar em lugares como piscinas, academias, instituições acadêmicas, eventos esportivos e culturais, conferências e exposições, museus, bibliotecas, restaurantes, hotéis e muito mais.

Eles também concordaram em reduzir a idade com que as crianças devem ter um teste de coronavírus negativo para três anos. O estado arcaria com os custos dos testes em crianças de 3 a 12 anos, mas as famílias dos que têm mais de 12 anos, que são elegíveis para serem vacinadas, teriam de pagar pelo teste.

Outra medida com a qual os participantes da reunião teriam concordado foi limitar a capacidade durante eventos que não exigem o passaporte Verde a 50 pessoas em ambientes fechados e 100 ao ar livre.

O aperto das restrições seria acompanhado por um aumento no número de estações de teste rápido em todo o país.

O gabinete do coronavírus se reunirá na quarta-feira para discutir as medidas propostas.

LEIA TAMBÉM

Enquanto isso, notícias do Canal 13 relataram que Bennett espera ampliar a elegibilidade para uma terceira dose para pessoas com mais de 45 ou 50 anos em um futuro próximo. Atualmente, apenas aqueles com mais de 60 anos ou que são imunocomprometidos podem receber uma terceira dose.

De acordo com um dos principais especialistas, os dados iniciais coletados no sistema de saúde sugerem que as doses de reforço estão ajudando a prevenir infecções por COVID-19.

“As indicações que estamos recebendo são realmente muito preliminares, mas são muito, muito boas em termos de prevenção de infecções”, disse Gabi Barbash, ex-diretor do Ministério da Saúde, ao Canal 12.

Bennett deveria ter uma nova reunião, ainda na terça-feira, sobre os esforços para o aumento da capacidade de atendimento do sistema de saúde, já que o número de casos graves aumentou para cerca de 400.

Segundo notícias do Canal 12, entre as medidas consideradas nesta questão está a abertura de mais duas enfermarias no país para pacientes com coronavírus, equipadas por médicos militares. Além disso, os médicos das Forças de Defesa de Israel podem receber a tarefa de ajudar a tratar pacientes em estado moderado.

Com o aumento das infecções, uma fonte do Ministério da Educação citada por vários veículos da mídia israelense estimou que, com o início do ano letivo em 1º de setembro, o país poderia ter cerca de 5.000 alunos diagnosticados com coronavírus por dia.

A fonte previu que, no ritmo atual, 1º de setembro terá 10.000 israelenses diagnosticados por dia, com os alunos representando metade deles.

A fonte disse que se as infecções continuarem a aumentar, os diretores das escolas poderão dividir as aulas em vários espaços de aprendizagem diferentes ou mesmo ter alguns grupos de alunos estudando remotamente.

Entre outras medidas que o ministério deve recomendar, está fazer com que os alunos comam em espaço aberto e façam intervalos em horários diferentes.

Na semana passada, Bennett assinou um plano, preparado por vários ministérios do governo, para reabrir escolas baseado em testes massivos, em uma tentativa de evitar que um grande número de alunos seja colocado em quarentena caso um deles seja infectado.

Enquanto isso, a polícia anunciou planos para aumentar a fiscalização das restrições do COVID-19, que incluirão o uso de drones e policiais disfarçados.

Os drones terão alto-falantes por meio dos quais os policiais encorajarão as pessoas a usarem máscaras.

A polícia concentrará seus esforços em cidades com altas taxas de infecção, como Hadera, Rehovot, Ashkelon, Kiryat Gat, Ashdod e Yavne.

Fonte: The Times of Israel
Foto: Miriam Alster (Flash90)