Prever doenças antes que apareçam

Pesquisadores do Instituto Weizmann de Ciência, em Rehovot, Israel, iniciaram um estudo para tentar prever doenças antes que elas apareçam em pacientes.

O “Projeto 10K”, liderado pelo Prof. Eran Segal e sua equipe dos departamentos de ciência da computação e matemática aplicada e biologia celular molecular, tem como objetivo usar tecnologias de inteligência artificial de última geração para gerar previsões personalizadas de fatores de risco de doenças. O ambicioso projeto é um estudo observacional, de longo prazo, projetado para coletar dados clínicos e de estilo de vida de 10.000 indivíduos com idades entre 40 e 70 anos que serão recrutados na população israelense e serão acompanhados por 10 anos.

Os pesquisadores irão monitorar a população de indivíduos ao longo do tempo e analisar os dados resultantes para encontrar uma conexão ou relação entre a exposição a certos fatores e o início da doença. Os participantes se beneficiarão, mas não pagarão nada pelo serviço, e a confidencialidade médica será estritamente observada.

O Projeto 10K combina testes médicos inovadores e técnicas avançadas de inteligência artificial para descobrir características pessoais que podem ajudar a prever futuras condições médicas muito antes de elas surgirem. O objetivo é desenvolver métodos que evitem essas situações e melhorem a qualidade e a longevidade de cada um de nós.

A equipe coletará dados sobre o status pessoal dos voluntários por meio de uma série de questionários e exames médicos. Os dados serão processados usando ferramentas sofisticadas de inteligência artificial.

Os participantes receberão os resultados de seus testes. Além dos questionários e exames de sangue que serão realizados, a equipe também fará uma série de testes no Instituto Weizmann, alguns dos quais não estão disponíveis fora da pesquisa. Essa visita a Rehovot levará cerca de duas horas e incluirá, entre outras coisas, coleta de sangue, amostras de bochecha para caracterização genética, obtenção de um kit caseiro para coleta fecal para caracterizar a composição da população intestinal e medidas corporais, como porcentagem de gordura.

O laboratório também armazenará uma amostra do sangue dos pacientes em um congelador robótico avançado, para que eles possam realizar testes futuros sem exigir que os participantes retornem. Os técnicos também irão conectá-los ao sensor que medirá o açúcar no sangue durante um período de duas semanas e fornecerá a eles um aplicativo para smartphone que lhes permitirá gravar facilmente suas refeições durante esse período.

A equipe enviará a cada participante os resultados dos testes, como o genoma, os níveis de açúcar em resposta à ingestão de diferentes alimentos e a composição de seu microbioma (bactérias intestinais). Além disso, o Projeto 10K oferece acesso a informações relacionadas à saúde que eles fornecerão regularmente.

A participação no estudo não é um tratamento e os exames realizados neste estudo não são utilizados em nenhum caso para fins de diagnóstico clínico.

A pesquisa de Eran Segal é apoiada pelo Crown Human Genome Center; o Fundo de Caridade Leona e Harry Helmsley; a Fundação Else Kroener Fresenius; a Fundação Adelis; Judith Benattar; Aliza Moussaieff; o Fundo Fannie Sherr; a propriedade de Zvia Zeroni; e o Conselho Europeu de Investigação.