“Tenho orgulho de ser chamado de antissemita”

O primeiro-ministro da Malásia, Mahathir Mohamad, defendeu seu direito de expressar pontos de vista antissemitas em nome da liberdade de expressão em palestra realizada na Universidade Columbia na semana passada.

Mohamad, de 94 anos, que é o primeiro ministro do país do sudeste asiático desde o ano passado falou para uma audiência lotada no Fórum Global de Líderes da universidade.

Mohamad – cuja convicção de décadas de que “os judeus governam o mundo por procuração” – também se recusou a dizer se aceitou o fato de que seis milhões de judeus foram assassinados durante o holocausto nazista.

“Por que não posso dizer algo sobre os judeus, quando as pessoas dizem coisas desagradáveis ​​sobre mim e sobre a Malásia?”, disse Mahathir, respondendo a um estudante.

O líder da Malásia continuou argumentando: “Quando você diz ‘você não pode ser antissemita’, não há liberdade de expressão”.

Pressionado pelo questionador a declarar suas opiniões sobre o Holocausto, Mahathir disse que aceitou que “havia um Holocausto”, mas recusou-se a discutir o número de judeus exterminados pelos nazistas e seus colaboradores.

Admitindo apenas que havia “muitos judeus mortos”, Mahathir concluiu: “Fui muito solidário com eles durante a guerra, quando você não era nem nascido”, respondeu ao estudante.

O líder da Malásia já tinha declarado anteriormente que as atrocidades terroristas da Al Qaeda em 11 de setembro em Nova York e Washington, “foram encenadas … como uma desculpa para montar ataques contra o mundo muçulmano”. Nesse mesmo discurso – proferido em uma conferência de solidariedade aos palestinos – Mahathir falou de “forças nos Estados Unidos que impedem o presidente de fazer algumas coisas e uma delas é o lobby judeu”.

Apesar de seu longo histórico de farpas antissemitas, bem como de seus ataques à comunidade LGBT, algumas das principais universidades do mundo acreditam claramente que a presença de Mahathir no campus é uma marca de honra.

Uma aparição na Universidade de Cambridge, no Reino Unido, em junho, foi distinguida por aplausos calorosos e até risadas quando Mahathir disse à plateia: “Tenho alguns amigos judeus, bons amigos. Eles não são como os outros judeus, é por isso que são meus amigos. ”

Os líderes judeus dos EUA reagiram ao convite para Mahathir, pedindo aos doadores da Columbia que abandonassem seu apoio financeiro à universidade em protesto.

Na mesma semana, mais de 800 assinaturas foram recebidas para uma petição do Change.org que protestava contra o discurso na Universidade de Columbia pelo primeiro-ministro da Malásia, que tem uma longa história de declarações antissemitas.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *