Restaurante no Curdistão é obrigado a trocar de nome

Um restaurante com o nome do ditador genocida alemão Adolf Hitler em Duhok, no Curdistão iraquiano, foi obrigado a trocar de nome e provocou muita controvérsia nas mídias sociais, com alguns elogiando a mudança e outros criticando o governo por permitir a emissão de licenças com nomes tão notórios.

O dono do restaurante disse que não gosta necessariamente do maior genocida da história, apesar de nomear seu restaurante em homenagem a ele: “Hitler era o ditador da Alemanha e não tem nada a ver comigo. Eu sei que chamei meu restaurante de ‘Hitler’, mas isso não significa que eu o ame”, disse Reber Mohammed ao site local Rudaw, “eu queria tornar meu restaurante famoso.”

Mohammed disse que as autoridades não prestaram muita atenção ao nome quando ele estava registrando o restaurante. “Mesmo quando comecei a papelada há sete meses para registrar o nome do meu restaurante, não recebi nenhuma reação negativa do governo ou das forças de segurança”, disse ele. “Foi bastante normal.”

Os clientes têm uma atitude igualmente indiferente à placa de Hitler pendurada na parede, de acordo com Mohammed. “Quem visita meu restaurante diz que não se importa com o nome”, disse ele. “O que é importante para eles é a limpeza e o sabor da minha comida”.

Alguns clientes concordam. O Restaurante Hitler vive lotado de clientes, muitos dos quais parecem não se importar com o envolvimento de Hitler em crimes contra a humanidade e o genocídio. “Para mim, o nome do restaurante não é importante”, disse Tahir Mohammed, cliente do restaurante Hitler, “venho aqui porque gosto dos pratos que eles servem”.

Abbas Fatah Salim, vice-chefe do Comitê Jurídico no Parlamento do Curdistão, que denunciou o nome, declarou: “Embora não exista nenhuma lei que proiba que nomes sejam usados ​​para negócios, de acordo com nossos costumes, não precisamos permitir que esses nomes sejam usados”.

Uma foto da placa do restaurante recebeu reações variadas quando postada no Facebook. Um homem criticou as autoridades por permitirem esse nome. “É um caos. Não é culpa do proprietário, mas das autoridades relevantes. Como se permite que alguém nomeie uma loja como Hitler?” disseImdad Najat .

Outro homem escreveu que é melhor ter um restaurante com o nome de Hitler do que uma loja de bebidas alcoólicas.

Como judeus e outros durante a Segunda Guerra Mundial, os curdos também sofreram genocídio. No final da guerra Irã-Iraque, no final dos anos 80, o antigo regime do presidente iraquiano Saddam Hussein liderou uma campanha de extermínio contra civis, incluindo curdos. A campanha de Anfal, como é conhecida, incluindo o ataque químico de Halabja, levou a mais de 3.000 mortes.

Em resposta a comentários sobre seu restaurante nas redes sociais, Mohammed reiterou novamente que as ações de Hitler não têm importância para ele. “As críticas que recebi dizendo que Hitler era um ditador não afetam meus negócios”, disse ele a Rudaw. “Minha empresa não opera em nome de um ditador, mas de uma pessoa famosa”.